Atenção, jovens! O Outubro Rosa também é para vocês

58810977f6748a808c49c9279037fdb4.jpg
Fonte: Flávia Totoli

Os números estão aí, e não são bons. Embora ainda raro, o câncer de mama em mulheres jovens está aumentando. Entre 2010 e 2015, houve um aumento de 2,6% nos casos em mulheres abaixo dos 40 anos. Com o agravante de que o câncer é mais difícil de ser detectado em tecidos mais jovens, e muitas vezes ele pode ser mais agressivo que em mulheres mais velhas.

Porém, não é um caso para alarmismo. É um caso para prevenção. Como em quase todo tipo de câncer, o diagnóstico precoce é a melhor arma na luta contra o tumor. Pessoalmente, acho que a campanha do Outubro Rosa tem se desvirtuado bastante, e é preciso retomar o seu propósito original: Falar de prevenção ao câncer de mama e saúde da mulher.

Muitas vezes estive em consultas com médicos displicentes com a minha saúde por causa da pouca idade, mesmo eu tenho histórico de câncer de mama na família. Por isso, é importante que a gente se aproprie da nossa saúde, faça o autoexame, e procure segunda opinião sempre que sentir que o médico não está nos levando a sério. Uma dica que funcionou comigo, caso você seja atendida por plano de saúde, é denunciar o clínico ao SAC do plano. Fiz isso uma vez quando um ginecologista se recusou a fazer o ultrassom das mamas, mesmo eu insistindo que tinha dois casos de câncer na família. O médico foi notificado, e o plano me indicou uma segunda ginecologista que pediu o exame.

Por sorte, eu nunca tive nenhum nódulo, e tenho seios bem pequenos, o que facilita na hora do autoexame. Mas os casos de tumores em mulheres abaixo dos 35 são mais comuns do que se pode imaginar. Abaixo reuni relatos de diversas mulheres jovens e suas experiências com a saúde das mamas:

Bruna, 25 anos
Ano passado, minha mãe foi diagnosticada com câncer de mama. 2016 foi um ano muito difícil. Eu sempre que lembrava fazia o autoexame, mesmo me achando nova e acho que errado também hahaha. É meio esquisito e nunca senti nada. Aos 22 anos coloquei silicone. E na ecografia mamária foram detectado dois nódulos na mama direita. Os medicos disseram que é comum entre as mulheres e na minha idade nao seria nada demais. Os nódulos foram retirados na cirurgia do implante. A biópsia não acusou nada também.
Fui ao meu médico no final do ano passado, pois gostaria de engravidar. Na nova ecografia apareceram três nódulos na mesma mama. Ou seja, em nem três anos eles voltaram… Saí chorando, pois o medo de passar futuramente por tudo que a mãe passou me assustou, né. Mas segui com os planos de engravidar, e estou quase ganhando já. Após amamentar, voltarei ao médico, vou marcar com o mastologista que cuida da minha mãe para facilitar a comunicação. Acredito que ficarão mais de olho em mim pelo histórico.
Lívia Beatriz, 26 anos
Quando eu era criança, eu adorava fazer o autoexame. Só porque eu achava bonito ser uma mulher adulta fazendo coisas de adulta, como muitas crianças. Daí, sempre fiz regurlamente. Até encontrar um caroço, aos 18 anos. Já pensei que era câncer. Mas era só um nódulo grande mesmo. Fiz a cirurgia para retirar porque ele estava um pouco grande mas o ginecologista mesmo falou que não tinha necessidade. O recomendado é tirar quando tem mais ou menos 1cm e ele tinha mais que o dobro. Daí, achei melhor tirar. O que achei louco na época é que eu ainda fazia só de zoeira mesmo. Fiquei com medo de achar mais hahaha mas tem que fazer, né … porque quando menos esperamos, pode rolar.
Luíza*, 27 anos
Este ano eu resolvi fazer um ultrassom das mamas e axilas, simplesmente por nunca ter feito antes, e achar necessária sua realização. Em abril marquei o exame, estava em uma onda de consultas, pois pretendo cuidar mais de minha saúde. Durante o ultrassom a médica percebeu a presença de algo diferente na mama esquerda. Ela disse que o meu tecido mamário é muito heterogêneo, ou seja, muita “confusão” entre a distribuição do parênquima e da gordura. O que a médica encontrou foi um suposto nódulo bem pequeno, não seria nem sensível ao toque. Só que ela não tinha certeza se era um nódulo ou um lóbulo de gordura, devido à constituição heterogênea da minha mama. Ela me informou que ainda que fosse um nodulo as características seriam de benignidade, então me pediu apenas para fazer o controle. Claro que minha mente assustada e hipocondríaca não sossegou né? Marquei mastologista na mesma semana. Ele me deu informações bem semelhantes, e pediu para fazer controle em seis meses com a médica de confiança dele em um laboratório específico. Os meses foram passando, e nos últimos dias minha ansiedade explodia em meu corpo. Enfim no momento do exame, a médica teve a certeza que se tratava de um nódulo, e que quase todas características exceto uma poderiam o configurar como fibroadenoma, um tipo de nódulo benigno. Para quem não sabe, a chance de ter esse tipo de nodulo é enorme. Meu médico me informou que entre 10 mulheres da minha idade (27 anos) 3 têm nodulo do tipo. Bom, essa única característica que não excluía a malignidade de cara foi necessária para me prescrever uma biópsia. Aí eu surtei. Sem contar os relatos de familiares que me falaram que o procedimento da punção doía muito. Levei o laudo do ultrassom para meu mastologista, e ele me deu a opção de fazer mais de um tipo de exame para verificar a natureza do nodulo. Por fim, eu optei por fazer uma mamotomia. Esse exame tem anestesia local, então juro que a gente não sente nada. E no próprio exame se retira o nódulo por completo, então a gente fica um pouco menos preocupada na hora de fazer o controle a cada seis meses por ultrassom (o que não deixo nunca mais de fazer). Durante o exame colocam um chip no lugar da extração para marcar qualquer crescimento eventual na área. Ahhh o chip não para a gente no aeroporto, perguntei pro doce de médico que fez o procedimento. Graças a Deus o resultado saiu rápido e não mostrou sinal de malignidade. Os achados foram sugestivos de fibroadenoma. Só que preciso fazer sempre controle, apesar desse tipo de nódulo não se transmutar. Não tenho dúvidas que vou manter ansiedade cada vez que fizer um exame do tipo, mas aconselho todas mulheres a fazerem um ultrassom, ainda que não sintam nódulos apalpáveis ou que sejam jovens. Mesmo que não encontrem nada, é bom criar esse hábito; conhecer a constituição e aspecto do seu peito; e também mesmo o nodulo benigno vai crescendo, mesmo que lentamente, e algum dia sentir ele no toque vai ser ainda mais horripilante. Isso sem contar com a possibilidade de aparecer um câncer em uma mulher com menos de 30 anos, o que não deixa de ser uma possibilidade. E o câncer de mama na mulher mais jovem é muito mais agressivo. Então por favor, todas se cuidem !
Gabriela, 25 anos
Desde os oito anos de idade eu sou muito peituda. Tive um desenvolvimento hormonal precoce e era uma pequena criança com peitões. Por ter os seios muito grandes, sempre tive muita dificuldade em fazer o tal do autoexame. Li em cartilhas, a ginecologista me ensinou, mas mesmo assim, é difícil. Tenho muita pele, gordura e tecido para conseguir sentir direito se há algo de diferente ou não. E mesmo que haja, muitas vezes uma leve diferença é sinal de uma alteraçãoo hormonal do ciclo menstrual e daí fica muito mais dificil de auto-diagnosticar. Já passei por ginecologistas que nem encostaram no meu peito, dizendo que eu era “muito nova e sem casos próximos de câncer na familia, por isso não precisava tirar a blusa não”. Outros, melhores médicos, me examinaram e, felizmente, nunca foi detectado nada anormal.
Márcia, 30 anos
Eu tenho vários cistos e alguns nódulos nas duas mamas. Quando eu descobri fiquei muito bolada. Aí o que se faz é acompanhar a cada seis meses por dois anos e se não houver alteração nesse período, fazer o ultrassom preventivo anualmente. Felizmente são nódulos todos benignos e hoje faço o exame só anualmente, mas sempre dá aquele medinho toda vez, né? Outra coisa é que como minha mama é cheia de cistos, o autoexame é praticamente inútil porque não dá pra distinguir direito o que é cisto ou nódulo, o que é uma merda. Mas todas as médicas que já fui repetiram que é muito difícil esse tipo de nódulo que eu tenho virar câncer, então hoje não me estresso muito com isso.
Bruna, 26 anos
Quando eu tinha uns 20 anos, tive um susto em relação à minha saúde mamária. Um caroço apareceu na minha mama esquerda, era duro e pequeno. Como não gerava nenhum incômodo, eu não dei atenção ao caroço de imediato e ele cresceu muito rapidamente. Em uns 10 dias cresceu tanto que chegou a deformar meu mamilo. Meu peito ficou inchado, quente, vermelho e doía quando eu erguia o braço esquerdo. Além disso, duas vezes havia saído leite do meu mamilo. E então, finalmente, eu fui ao médico.
Fizemos um ultrassom mamário e até então eu estava bem tranquila. Quando chegaram os resultados, vimos que o ultrassom indicava um tumor de alguns centímetros, esse tumor vinha de uma inflamação, mas era necessário verificar se o tumor era benigno ou maligno e para isso era necessário fazer uma biópsia – só que nada disso me foi explicado!
Meu médico tinha tantos dedos pra falar comigo e nada era dito objetivamente, ao invés de ser dito palavras como tumor, câncer, exame TAL, eram usados termos genéricos como “coisa pior”, e eu não conseguia entender com que exatamente eu estava lidando. O tom sério assumido e o excesso de hesitações do médico, só me apavorava mais!
Quando eu perguntei se era grave, ele me respondeu “é um tumor, né, claro que é, você já ouviu falar de tumor?” (sim, ele tinha esse jeito meio grosseiro). Eu que não sabia nada de tumores, entendi ali por essa informação e por todos as hesitações que ele estava dando na conversa, que eu estava com câncer. Quando ele me disse que teria que fazer uma biópsia pra saber se era benigno ou maligno, pra mim era só uma questão de saber se eu ia viver ou morrer. O que eu havia entendido até aquele momento era:
TUMOR = CÂNCER.
CÂNCER BENIGNO = UM CÂNCER BAD MAS QUE TEM CURA
CÂNCER MALIGNO = MORRE
Mas ao mesmo tempo que eu “recebia essa notícia bombástica” sobre a minha saúde, eu não me sentia acolhida. Eu queria fazer várias perguntas, mas meu médico me tratava desse jeito meio grosseiro, meio brincando e não me respondia nada objetivamente. Eu não entendia quais seriam os próximos passos, nada. Foi uma semana difícil! Então eu resolvi ir em outro médico, um que eu não me sentisse intimidada de falar e perguntar exatamente o que eu queria, porque escutar que você tem um tumor (que na minha cabeça era um câncer) e não se sentir a vontade de fazer as perguntas que você precisa, é horrível.
No outro mastologista eu descobri que se tratava de uma mastite, uma inflamação mamária – no meu caso, muito intensa -, que geralmente acontece em período de amamentação, mas também pode ocorrer com mulheres que fumam (que era meu caso) ou por algum traumatismo. O leite que saía do meu peito, no caso, não era leite e sim pus. Foram retirados do meu peito quase duas seringas de pus. Fiquei na iminência de fazer uma cirurgia pra tirar completamente o nódulo, mas após tratar a infecção ele praticamente desapareceu. Agora só tenho que ficar mais atenta a esse peito para acompanhar se não há nenhuma anormalidade.
No mais, deu tudo certo, e era muito mais tranquilo do que parecia no início.
Fica como aprendizado que é importante sim fazer as perguntas que você quer fazer para seu médico para não haver desencontros na comunicação em uma coisa tão importante quanto saúde. E sim, buscar segunda opinião é sempre válido.
Caso você não tenha certeza de como fazer o autoexame, informe-se aqui.
Caso você queira saber mais sobre sintomas precoces do câncer de mama, clique aqui.
*Nome alterado a pedido da autora do relato.
Anúncios

Vlog: De rolê pelo UK – Inverness & Lago Ness

Fui fazer um passeio que meu eu de oito anos não iria acreditar: O Lago Ness, na Escócia! Não poderia deixar de ir, sendo tão pertinho de Glasgow. Acabou sendo uma das melhores viagens da minha vida! Voltei totalmente encantada com a paisagem das Highlands. E o monstro do lago Ness? Assista pra saber se a gente se encontrou!

Ah! No blog das minhas queridas Fábia & Gabi, vamos postar um texto bem completo com tudo sobre os passeios, acomodação, valores, etc. Entra lá para conferir: https://www.estrangeira.com.br/

Falando sério

large
Fonte

Eu gosto de você. Gosto do seu corpo coberto de tatuagens, gosto do seu jeito manso, gosto dos nossos dias perdidos em ressaca no seu apartamento, gosto desse seu sotaque que eu não consigo entender antes do terceiro drink, gosto quando o álcool mela a nossa comunicação e faz tudo ficar mais fácil, gosto das marcas dos seus dedos no meu pescoço e na minha bunda no dia seguinte, gosto do seu pendor pra autodestruição tão parecido com o meu.

Mas você não imagina que às vezes quando a gente tá junto e eu já tô muito bêbada eu ainda penso no meu ex namorado, tem tanta coisa sobre mim que você nunca vai saber, tem tanta vida me esperando em dois cantos diferentes do mundo, e aqui eu nem existo, eu sou só um sopro e pra você eu sou só uma miragem, o que acontece aqui está desconectado do resto da minha vida, entende, e o efêmero é o que faz ser bom, eu gosto da folga de ser quem eu sou, a bagagem às vezes pesa, então se a gente puder deixar ela um tempo no guarda-volumes melhor.

Eu não gosto quando você blefa e se faz de difícil, para que complicar as coisas, mas se tem que ser assim, tudo bem, porque eu estou cansada do jogo mas ainda sei jogar, mas eu queria que você entendesse que se a gente está aqui junto é por algum motivo, seja pela putaria ou pela companhia, às vezes é tão exaustivo manter a pose, às vezes a gente se sente só, e tá todo mundo morrendo de medo de se estrepar, mas paciência, aproveita que eu to aqui de mãos livres sem bagagem pra te fazer um cafuné ou te arranhar as costas, e depois, depois é depois, você não ve que a gente ta perdendo tempo, se você puder parar de fingir eu agradeço, até porque eu me irrito muito com o fato de que funciona e eu fico querendo te ver toda vez que você some, eu não sou sua, nem nunca vou ser, mas agora posso ser, só um pouco, só um pedaço, só uma parte que existe agora e depois vai ser como se nunca tivesse existido.

Sinestesia

O conto abaixo foi escrito para a primeira Tertúlia Erótica da SESLA que rolou ontem em Coimbra. O tema do evento era os cinco sentidos e eu fiquei super honrada com o convite! Teve leitura dramática do conto juntamente com o restante da programação e eu fiquei muito feliz de ter contribuído. Espero que gostem e não esqueçam de curtir a página da SESLA no Face para ficarem por dentro dos próximos eventos!

21616297_1577071649014814_5175418694204534075_n.jpg

Visão

A culpa é minha. Deve ser, afinal, eu que quis vir. Acontece que eu também tenho direito de me divertir. Só que fica meio difícil, quando ele não tira os olhos de mim. O jantar inteiro foi assim. Parece que é de propósito, parece que ele gosta de me ver assim, tremendo na cadeira por causa dele.

Se eu vou querer mais vinho? Sim, por favor, pode encher. Minha visão já tá ficando meio borrada e ainda assim eu consigo sentir os malditos olhos dele em cima de mim. Será que ninguém mais percebe? Será que eu estou ficando doida? Eu tô tentando concentrar no papo que tá rolando do outro lado da mesa e eu sinto o olhar dele me queimando. É quase como se ele conseguisse fulminar o fecho do meu sutiã, e do jeito que esse vestido é decotado a mesa inteira ia ver meus peitos.

Talvez seja coisa da minha cabeça. Afinal, ele está sentado na minha frente, para onde mais ele iria olhar? Eu respiro fundo pra criar coragem, correndo os olhos pela superfície da mesa. Tigela, pãezinhos, cinzeiro, vela, garfo, faca. Quando eu levanto o olhar, ele está me encarando de frente. O olhar dele é constrangedor. Ele sorri de canto de boca, um sorriso mínimo, quase imperceptível, antes de baixar os olhos pelo meu pescoço, pelo meu colo, pela curvinha do decote. É como se minha pele tivesse sido lambida por uma labareda, eu juro que dá para sentir o caminho que os olhos dele estão fazendo.

Eu viro o restante do vinho. Puta calor aqui, hein? Ajeito o vestido para o decote não ficar tão sem vergonha, e ainda assim ele não. para. de. olhar.

Paladar

Hora da sobremesa. Hora do xeque mate. É agora ou nunca. Eu sei que ela está me olhando quando eu me sirvo de um morango. Escolho um bem maduro, bem vermelho, bem suculento. A pontinha da minha língua passa pela pontinha da fruta. Ela arregala os olhos quando percebe o que eu estou fazendo. Vou passando a língua em círculos bem devagar, sem tirar os olhos dela. Ela está tão corada que até o seu colo está ruborizado, o prato de sobremesa cheio de frutas intocado. Eu passo a chupar a pontinha do morango Os outros continuam a conversa animada na mesa, sem notar o que a gente está fazendo.

Eu quero que ela saiba que é isso que eu quero fazer com ela. Não tiro nunca o morango da boca, só um pedacinho, até ele estar começando a derreter. Como eu queria que fosse o clitóris dela se enrijecendo contra a minha língua, eu tenho certeza que ia ser tão, tão mais gostoso, só de imaginar o gosto da boceta dela meu pau fica duro. Os nós dos dedos ela estão brancos de segurar a borda da mesa com força, e eu sei que ela pode sentir, porque eu posso sentir também, e quando eu fecho os olhos porque não aguento mais a textura do morango muda, se torna lisa e escorregadia e dá pra sentir, dá pra sentir o calor do corpo dela contra o meu rosto, ela se contorcendo na minha boca enquanto eu chupo devagar, devagar, bemmm devagar porque eu quero aproveitar cada gotinha, quero sentir o gosto de cada cantinho e dobrinha, pensar em tê-la pra mim deixa o meu pau latejando dentro da cueca.

Quando eu mordo o morango ele explode na minha boca, uma bagunça, e que delícia seria poder me lambuzar nela desse jeito, vou me embrenhando como eu queria me embrenhar nela, ir devorando e abrindo ela todinha pra mim, puta que pariu, eu quero fazer ela gemer, eu quero que ela sinta o tesão que eu sinto toda vez que ela está por perto, eu quero ela sentando na minha cara, gozando na minha língua e…

Eu abro os olhos. Ela está com cara de quem está sem respirar há muitos minutos. O sumo da fruta está escorrendo pelo meu queixo, tem gosto de gozo, e eu não sei como ninguém mais notou o que acabou de acontecer.

Tato

Eu pisco para ver se meu cérebro pega no tranco. Olho ao redor pra checar se ninguém percebeu, mas está todo mundo absorto num assunto qualquer. A renda da minha calcinha esta tão encharcada que grudou no vestido, e por um momento de pânico eu penso que posso ter manchado a cadeira. Me ajeito no assento. Puta que pariu, tô tão molhada que é até desconfortável. Eu estou um pouco trêmula, meu corpo sentindo pequenos choques como se quisesse a língua dele de volta em mim. Como isso é possível?

Bom, se é assim que vai ser, também sei brincar. Mais um pouco de vinho, e me sirvo de uma uva. Ele recosta na cadeira, com uma cara safada que me dá vontade de acertar um tapa, sabendo exatamente o efeito que ele tem sobre mim. Eu levo a fruta à boca, estourando contra o meu céu da boca, aproveitando para umedecer o indicador na saliva, antes de checar se todo mundo continua distraído e descer a mão pelo meu corpo, separando a fenda do vestido estupidamente curto. Ele fica boquiaberto quando percebe o que eu estou fazendo.

O quê, ele achou que só ele fosse capaz de surpreender?

Passo a pontinha dos meus dedos pelo alto da minha coxa; minha pele está fervendo. O toque de leve me fez arrepiar, todos os meus nervos tão eletrizados que a resposta é instantânea. Quando eu alcanço a barra da calcinha sinto a umidade através do tecido, passeando os dedos de leve por ali, me contraindo tanto que eu chego a me encolher na cadeira.

Ele continua de queixo caído, observando incrédulo enquanto eu toco uma em plena mesa de jantar. Eu tô tão excitada que chego a ficar tonta, quase não resistindo à provocação, quase puxando a calcinha pro lado e me tocando até em gozar na frente de todo mundo, gemendo bem alto, chamando o nome dele pra todo mundo saber quem é responsável por eu perder a compostura desse jeito.

Eu grudo as costas no encosto da cadeira, abrindo mais as pernas, olhando para ele por detrás da pálpebras semicerradas, respirando devagar enquanto vou aumentando a pressão dos meus dedos, fazendo movimentos circulares bem lentos. Logo eu enfio a mão dentro da calcinha, me tocando do jeito que eu já sei fazer, e mordendo meu lábio para não deixar nenhum gemido escapar.

Ele corre os olhos arregalados pelo meu corpo, o vestido afrouxando no meu decote, com uma expressão de desejo que beira o pânico. Depois derruba o guardanapo no chão, agachando debaixo da mesa para  pegar.

Eu separo as pernas.

Sei que minha calcinha é transparente.

Sei que ele consegue ver tudo.

A situação só aumenta o meu torpor e eu puxo a calcinha para o lado com um dos dedos me expondo completamente, antes de largar o elástico.

Ele emerge de novo na cadeira, pálido. Eu paro que eu estava fazendo. Parece que a bolha erótica estourou e de repente estamos muito conscientes do que está acontecendo.

Audição

Meus ouvidos estão zumbindo. Eu não consigo acreditar no que acabou de acontecer, no que eu acabei de ver. Só lembrar faz meu pau pressionar o zíper da calça. Minha vontade era de arrancar aquela calcinha, rasgar em duas,e começar a chupar ela debaixo da mesa mesmo.

Eu pisco algumas vezes, pra ver se o aturdimento vai embora. Meu pau tá tão duro que até dói. Eu vejo ela toda corada na minha frente, os lábios vermelhos, linda, ela é tão linda e eu não imaginei, dessa vez ela realmente me surpreendeu, e eu preciso fazer alguma coisa, não dá mais pra esperar um segundo.

Pensa rápido, pensa rápido.

– Puta, olha só o que eu fiz… Derrubei vinho na minha calça.

– Ih, tem que limpar logo senão mancha.

– Tem uns shorts do Marcelo lá dentro, daí você já coloca de molho.

– Eu sei onde está. – Ela diz, a voz trêmula no começo, mas se firmando depois. – Te mostro.

Eu levanto com as mãos escondendo a suposta mancha, que na verdade é a minha pica querendo explodir dentro da calça. A essa altura já liguei o foda-se se eles estão percebendo ou não. Ouço os passos dela atrás de mim, fechando a porta da quarto.

– Você enlouqueceu e tá me enlouquecendo junto. – A bronca obviamente perde um pouco do efeito com os acontecimento recentes.

– Só falta agora você continuar fingindo que não quer. – Tá na cara que nós dois estamos à flor da pele, uma mistura de tesão com raiva que está borbulhando há tempo demais.

– Querer é lógico que eu quero, só que não está certo.

– A gente já foi longe demais agora.

– Para…

– Não. Eu não vou parar. Eu tava a ponto de te colocar de quatro na mesa e te comer na frente de todo mundo. Você tava se tocando, toda molhada por minha causa e eu quero sentir. Eu quero provar. – Ela sacode a cabeça.

– Isso é loucura.

– A gente já parou de resistir faz tempo. – Ela suspira, derrotada. Eu tô com vontade de ver ela chorar só pra ter certeza, certeza, que ela sente a mesma coisa que eu, mas eu sei que sim, eu sinto que sim, eu vi. – Você sabe.- Ela enterra o rosto nas mãos e eu tiro elas de lá imediatamente, prendendo na porta atrás dela. Ela está tão perto, muito mais perto do que jamais esteve, e eu juro que ainda tenho o gosto do gozo dela na minha boca, misturado com o morango. – Deixa eu sentir. Eu quero sentir o quanto eu te deixei molhada com a minha língua agora há pouco.

– Para, a gente tem que voltar. – Ela se vira para ir embora mas eu prendo ela na porta de novo.

– Quando eu vi. – Eu começo, afundando o rosto no pescoço dela, e quase sem reconhecer minha própria voz, que está saindo num grunhido. – Eu queria rasgar a sua calcinha, queria rasgar o seu vestido, queria te fazer sentar na minha cara até você me implorar pra eu parar de te chupar porque você não aguenta mais. Eu quero tirar a sua calcinha agora, deixa, por favor… – Um gemido escapa, porque só de pensar, só de pensar eu tô quase a ponto de perder o juízo, meu pau já melou minha cueca inteira. Ela geme baixinho em resposta e eu colo nossos corpos, e aí a gente geme junto, minhas mãos descendo pelo vestido dela, apertando com força, os peitos, a cintura, o quadril, caralho, eu quero arrebentar esse pano todo AGORA.

Gemo de novo quando aperto a bunda dela por debaixo do vestido, e passo meus dedos pela calcinha. Parece que eu esqueci de respirar enquanto desço a calcinha até os joelhos, acho que eu tô prestes a desmaiar porque todo o meu sangue desceu pro meu pau.

Olfato

Já esqueci de tudo, acho que até do meu nome. Ele morde o lóbulo da minha orelha, ainda sussurrando indecências, mas o discurso está cada vez mais embolado e sem sentido. As mãos dele sobem me apertando por cima do vestido, antes de desamarrar o fecho e abri-lo. Ele desabotoa meu sutiã e em mais ou menos três segundos estou praticamente nua, minha calcinha prendendo minhas pernas na altura dos joelhos.

E a única coisa que eu consigo sentir é o cheiro dele, aquele cheiro que ele sempre fica impregnado em mim quando ele me cumprimenta, aquele cheiro daquele moletom que ele me emprestou uma vez e eu nunca devolvi, aquele cheiro que pra mim é cheiro de sexo, de desejo, de pecado. Eu estou tremendo da cabeça aos pés, de adrenalina e tesão, tudo misturado.

Ele morde o meu pescoço com força, se esfregando em mim, e eu puxo ele pra mais perto, se tivesse como acho que a gente se fundia. Ele me vira de volta pra ele, e eu estou completamente entorpecida.

– Me diz que você me quer também. Eu preciso ouvir.

Eu resgato o último fio de voz que tenho pra responder.

– Eu quero.

FIM

Ensaio fotográfico: Shower sessions

Pois é, fazia um tempo que eu estava querendo fazer essas fotos. Quem me acompanha no Instagram sabe que eu curto tirar umas fotos sem roupa, mas dessa vez queria experimentar com a estética um pouquinho. Sorte minha que a minha amiga mega talentosa Julia Rabello embarcou na pira e o ensaio saiu.

Eu nunca me senti muito bem com o meu corpo, e fazer fotos desse tipo foi uma forma de empoderamento pra mim. Às vezes é muito fácil a gente se perder nas pressões do Photoshop, dos corpos perfeitos. Eu queria provar pra mim mesma que dá pra ser sexy sem precisar ter peitão, virilha sarada, tudo isso.

De uns tempos pra cá, meu corpo mudou bastante, e eu tenho me sentido bem desconfortável com ele. Mas esse foi um dos motivos pra fazer essa sessão: Ele pode não ser perfeito, pode ter dobrinhas, machinhas, estrias, mas por mais que seja difícil pra mim, esse é um exercício para eu ter coragem de me expor sem querer fingir que tudo é perfeito – não é, todo mundo tem defeitos e são eles que tornam as pessoas interessantes.

Enfim, chega de falar! Vamos às fotos:

Noite de semana

2fa360d2d06886591c3b822b42a82955.jpg
Fonte

Às vezes os dias perfeitos não são aqueles em que a gente ganha uma promoção no trabalho, passa no vestibular, é pedido em casamento. Às vezes um dia perfeito é só aquele em que eu conseguir entrar em casa minutos antes do temporal de verão cair, tomar um banho para tirar o suor e o mormaço de um dia quente do corpo, e sair relaxada, com os cabelos molhados e a pele fresca, pra entrar no quarto cheirando à chuva e te encontrar na cama, concentrado num livro.

Eu me aconchego a você. Os últimos dias foram corridos, faz um tempinho que não temos uma noite para nós. O ar finalmente está mais fresquinho depois de um dos dias mais abafados do ano. Você está só de cueca, cheirando a sabonete, a pele ainda quente do banho que você tomou antes de mim. Eu te abraço pela cintura, afundando o rosto na sua nuca.

– E aí, o livro tá bom?

– Uhum, acho que amanhã eu termino. – Eu não resisto à extensão da sua pele na minha frente e cravo uma mordidinha no ombro, te arrancando um ronronado. Você larga o livro no criado-mudo, virando o corpo para me encarar. Minhas mãos ficam passeando pela extensão das suas costas, enquanto você segura meu rosto com as mãos e me beija.

Sua boca tem aquele gosto de algum doce de infância que eu não consigo nunca identificar qual é, e eu não resisto a morder de novo, porque é bom demais te morder. É engraçado que eu sempre achei o seu beijo febril, mas agora parece que a temperatura anormalmente alta se espalhou pelo seu corpo inteiro.

Era para ser só um beijinho, mas você segura meu rosto nas suas mãos daquele jeito que você sabe que eu adoro, e quando você enfia a mão debaixo da minha blusa de pijama eu me arrepio inteira. O toque das duas mãos na minha pele causa uma reação elétrica, um choque que deixa meu corpo inteiro vibrando, como se fosse um motor em baixa frequência.

O beijo se aprofunda e eu vou derretendo. É sempre assim, mesmo depois de tanto tempo. A sensação de estar com você é de um tiro de pó com umas dez doses de tequila e uma cartela de doce, tudo ao mesmo tempo, num coquetel pra ser injetado na veia.

Minhas mãos estão grudadas no seu torso e a gente ainda não parou de se beijar por um segundo. Mas quando você me puxa pela cintura e nos cola dos ombros às pontinhas dos pés, eu preciso quebrar o beijo para gemer baixinho e buscar ar – porque parece que eu estou sufocando.

Em pouco tempo meu pijama está no chão e eu dou um gemidinho de frio só de manha – afinal, está um calor do inferno. Você cobre o meu corpo com o seu e quando seus dedos alcançam a barra da minha calcinha, minhas unhas já estão cravadas nas suas costas. Você começa a me tocar com a perícia de quem conhece todos os meus cantinhos, mas sem querer chegar lugar nenhum – de um jeito preguiçoso só pra me deixar com vontade. Sua testa está colada na minha, e o jeito que você me olha me faz sorrir. Quando você sorri de volta eu sinto um formigamento estranho por dentro. Estar apaixonada assim é tão esquisito. É como se tivesse uma bola de borracha no meu peito e ela fosse ficando maior até querer explodir tudo pra sair.

Você leva os dedos à boca, fazendo cara de quem provou algo delicioso, antes de colocá-los nos meu lábios para me fazer chupar também. Eles se demoram no cotorno na minha boca antes de descerem mais uma vez, mas eu cansei dessa tortura mansinha. Agora é minha vez. Eu te jogo te volta na cama, separo suas pernas, descendo a cueca de uma vez e dando um mordidinha na sua tatuagem abaixo do umbigo.

Adoro quando você geme logo que eu começo a te chupar, puxando os cabelos na minha nuca de leve enquanto eu faço um boquete sem pressa, que a gente tem a noite toda para aproveitar. Eu vou mais fundo, o mais fundo que dá, bem devagar, aumentando o ritmo aos poucos. Quando você começa a se empolgar, eu paro, fazendo uma punheta bem lenta, enquanto me delicio nessa expressão safada que você guarda só pra esses momentos.

Suas pernas relaxam e se abrem enquanto voce impulsiona seu quadril de leve, quase sem perceber, a respiracao entrecortada. Eu te chupo mais um pouquinho antes de descer, torturando a parte sensivel do interior das suas coxas, descendo mais e mais, mordendo a curvinha da sua bunda de leve.

Você geme e eu aproveito para lamber a pele por ali, te fazendo tremer com o choque, explorando a área com a língua antes de ir ao que interessa; afasto mais suas pernas, indo direto a ponto para comecar um beijo grego lento e carregado de tesão.

Com certeza está na minha lista de MELHORES COISAS DA VIDA ouvir a sua primeira reação sempre que eu faco isso. Eu nunca me canso. Eu conheco todos os seus detalhes e curvinhas, a receita exata pra te fazer perder completamente o controle, e eu amo a nossa intimidade.

Alguns minutos e você está se contorcendo contra os lençóis, murmurando coisas sem sentido enquanto puxa meu cabelo descoordenamente. A brincadeira já está mais que divertida – mas aí eu me lembro de uma coisa da qual a gente sempre falou – mas nunca realmente fizemos.

Minha língua te penetra devagarzinho – só a pontinha, so pra provocar. Arranho a superfície da sua coxa e agarro o seu pau com firmeza, masturbando devagarinho, continuando a invasão preguiçosa. Você relaxa na cama, os músculos se dissolvendo da tensão pra me dar mais acesso – É, acho que agora é uma boa hora.

Eu seguro o seu quadril com a mão livre, apertando pra te fazer virar de bruços. Mordo mais uma vez – só porque você tem uma bundinha bem linda e é difícil resistir. Depois, sopro de levinho, dando risada quando você se arrepia porque você é tão previsível, e parto para o ataque.

Sempre tão gostoso ver como você se desmancha na cama toda vez que eu faço isso. Você arfa e pede mais, esfregando o seu pau nos lençóis. Eu subo, beijando as covinhas das suas costas.

– Sabe o que eu estava pensando?

– Em voltar a fazer o que você estava fazendo? – Você responde, sem ar. Eu dou uma risadinha.

– Não. Em fazer aquilo que a gente sempre teve vontade. – Eu mordo o lábio, porque mal consigo conter a antecipação. – Eu te comer.

Você vira pra mim, o rosto afogueado, cabelos bagunçados. Eu levanto uma sobrancelha, como quem diz “e então”?

– Vamos. – E seus olhos brilham de animação também. Eu quase pulo da cama, alcançando a nossa gaveta de brinquedinhos e escolhendo um vibrador médio. Vamos começar modestamente.

– Tá. Me avisa se machucar que eu paro. – Você acena que sim, com cara de criança que vai estrear um brinquedo novo. Eu volto a ajoelhar na cama, plantando beijinhos na lateral da sua cintura, descendo devagar.

Retomo o que eu estava fazendo, lambendo a sua entrada devagar, penetrando de levinho. Quando eu vejo que você já se desconcentrou de novo, levo um dedo para ajudar no processo, pressionando até a resistência ceder.

A prática não é incomum – já estamos acostumados a fazer sempre, mas nunca fomos além disso e eu tenho receio de não fazer alguma coisa direito e te machucar. Eu curvo o dedo dentro de você, sorrindo quando vejo que te provoca um gemido. Bom, pelo menos isso eu não esqueci como fazer.

Depois de um tempo introduzo mais um dedo e continuo até sentir que seus músculos relaxaram o suficiente. Alguns segundos lutando para abrir a camisinha com dedos trêmulos, uma quantidade generosa de lubrificante, e forço a entrada com o vibrador de levinho no começo, testando a sua reação.

Você geme de novo – dessa vez estrangulado, e eu mordo meus lábios porque se essa não é a situação mais excitante em que já estive com certeza está no top 5. Eu ajeito a posição do vibrador e começo a ir mais fundo. Você afunda o rosto no travesseiro, e eu me pergunto por que raios a gente ainda não comprou o espelho gigante que a gente sempre fala em comprar porque eu daria tudo pra ter uma visão panorâmica de você de quatro na cama enquanto eu te como assim.

– Mais. – Você sussurra estrangulado, quase rasgando a fronha. A essa altura, você já está praticamente transando com o colchão, então eu te viro e desço a língua pelo seu torso pregado de suor. E já que é pra fazer direito, na hora em que eu tomo a sua glande na boca, ligo o vibrador.

A posição exige bastante da minha coordenação, mas pelo jeito, vale a pena. Você levanta os quadris, forçando o seu pau dentro da minha boca sem nem perceber, suas coxas dobrando com os espasmos. Você puxa meu cabelo forte, e me implora para eu não parar, e eu não paro, não paro até você gozar na minha boca e eu engolir tudinho porque puta que pariu, que delícia, eu tô abismada e sufocada de tesão.

Você me olha com os olhos arregalados, também sem conseguir acreditar, e eu quero te dar prazer assim muitas outras vezes, mas agora é minha vez. Eu arranco a calcinha e subo pelo seu corpo, prendo seus braços na cama e sento na sua cara.

Rapidinho você acorda do torpor, me chupando do jeito que você sabe muito bem como fazer, e em poucos minutos eu gozo, me esfregando na sua língua e chamando o seu nome.

– A gente… – Eu começo, ofegante, guardando o vibrador e arrumando a coberta que virou um fuá. – Precisa fazer isso outra vez.

– Concordo. – Você sussurra baixinho, ajeitando minha cabeça no seu peito e afastando as mechas molhadas da minha testa. – Vinte minutos e segunda rodada?

A gente ri junto e de novo essa sensação esquisita de ter uma coisa querendo sair de dentro do peito. Eu não sei se algum dia vou me acostumar com amar alguém tanto assim, mas eu não tenho dúvidas que quero continuar tentando.