Um Dia

(Novembro – 2011)

Vinho tinto e massa na varanda
Ferro fundido e mormaço noturno
Unhas escuras
Solidão aprazível
O estalar de uma língua estrangeira
Sozinha e tão completa
No ar do mediterrâneo
Pra comer, respirar, beber arte
A Primavera
A Ponte Velha
A ilha que uma mulher longe de casa é capaz de se tornar
Cercada de cores e histórias
Não importa muito quando
Sendo logo
Tudo bem, quando der
Mas eu vou
(Então espera, minha próxima casa, que eu chego)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s