Veni, vidi, amavi

4fe0ed168c586.preview-620

Uma coisa é certa: De falta de amor eu não morro. Posso morrer por excesso dele, ou excesso de inconsequência, ou infarto depois que meu coração bater demais – mas não de falta de amor. Sei que ultrarromantismo é démodé, mas não posso evitar algo que está em cada uma das minhas células – essa vontade incontrolável de me atirar no fogo toda vez que ele aparece na minha frente. E eu que sou uma pessoa até razoável em muitos setores da vida, não tenho escrúpulos em se tratando de amor. Porque é só assim que vale a pena. Muita gente se admira e não consegue entender esse meu afã de viver as paixões até a última gota como se elas fossem veneno. Mas o que elas não sabem é que em troca eu levo pra mim uma coleção de memórias que valem vidas inteiras. Eu vivo mil anos em uma semana. Eu vou viver muitas vidas em uma só. Então, na minha lápide, por favor coloquem que eu vim, eu vi e eu amei. E se eu morrer de amor, ah antes seja, do que morrer de falta dele.

Anúncios

Um comentário em “Veni, vidi, amavi

  1. antes do que por falta dele, mas também tem vezes que vale mais a pena amar o que se pode amar com tranquilidade ao invés de gastar tudo no caos cansativo que te consome toda

    falo isso pq entendo, me identifico e quero acreditar que dá pra ser melhor

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s