Capricórnio

tumblr_m950qih8jw1qg22hlo1_1280

Estava escorada no canto do sofá, bebericando meu vinho e atualizando a timeline do Facebook pela décima vez seguida. Olhei para minha amiga conversando animadamente num canto da sala com o tal boy que ela não parava de falar a respeito há uma semana. Rolei os olhos. As coisas que a gente faz para as amigas transarem. Pelo menos a bebida era farta. Eu dei de ombros enchendo mais uma taça de rosé.

Aquela festa estava um porre. Eu devia saber que ia ser roubada quando ela falou que “provavelmente só ia ter gente da pós”. As pessoas se espalhavam nos sofás, usando vestidos de crepe, comendo barquetes e citando nomes de pensadores. Bom, eu sou uma boa amiga. Valia o sacrifício, mas ela ter que me pagar uma cerveja depois.

Estava rindo sozinha de um vídeo de gatinho que não parava de travar no meu 3g quando ele chegou e se sentou ao meu lado.

– Vídeo de gatinho, hein? Vai com calma, essa é a porta de entrada para drogas mais pesadas. Daqui a pouco você vai estar mandando mensagem no grupo da família só pra ter com quem conversar.

Eu sorri.

– Não corro esse risco. Saí do grupo da família.

– Uau, uma rebelde autêntica.

– Isso aí. Além do mais, parece que eu já tenho com quem conversar. – Ele sorriu. Se apresentou, estendendo a mão. Reparei no sorriso. – Bebe um vinho comigo?

– Obrigado, mas eu estou só na água. – Eu levantei uma sobrancelha. – Eu não bebo. – Ele explicou, sorrindo de novo. Eu pisquei.

– Não por isso. Faço questão de beber por dois.

De repente, a festa deixou de ser chata. O papo fluiu. Com um estoque de rosé infinito, eu fui ficando cada vez mais falante. Reparei que talvez devia estar chamando atenção demais quando gargalhei de repente, quase fazendo o vinho sair pelo meu nariz. Todo mundo olhou para mim. Céus, aquela galera tinha álcool de graça e ninguém estava enchendo a cara? Oficialmente eu estava no mundo dos adultos.

Ele sorriu para mim. Eu reparei em todos os dentes. Ele tinha um sorriso lindo. Talvez eu estivesse bêbada.

Mais provavelmente eu estava bêbada E ele tinha um sorriso lindo.

Minha amiga segurou meu ombro com força, sussurrando no meu ouvido que estava indo para casa do tal boy. Eu sabia que ela estava eufórica. Ia querer saber todos os detalhes no dia seguinte. Depois ela se afastou e pareceu se dar conta de algo.

– Mas como você vai voltar?

– Relaxa, eu dou um jeito. – Porque eu já estava contando com isso desde o começo.

– Se você quiser posso te dar uma carona. – Ele disse. Nós duas o encaramos ao mesmo tempo. Ele levantou as duas mãos num gesto de defensiva, como se dissesse, “sem segundas intenções”.

Mas é claro.

– Viu? Tenho carona. Vai lá, aproveita.

***

– Eu não quero que você pense mal de mim porque eu estou te dando carona.

– Não, imagina.

– Eu tô falando sério. Não sou este tipo de cara.

Andávamos os dois pela calçada, tentando encontrar o carro dele. Finalmente paramos perto de um sedan vermelho. Eu estava prestes a me atracar com um cara que dirigia um sedan, meu Deus. Mas aí ele correu as mãos pelos cabelos cacheados cor de chocolate.

Foda-se o sedan. Tudo nele estava me atraindo como um ímã. O sarcasmo, a confiança serena, o sorriso.

– Muito bem. – Eu o encurralei contra a porta do carro. – Então vai dizer que você não quer me pegar?

Ele ficou sem ação por um segundo, mas logo se recompôs.

– Também não sou o tipo de cara que mente. – E com isso  segurou minha nuca com as duas mãos e me beijou.

Não foi de uma vez. Foi aos pouquinhos. Em progressão aritmética. Tipo seleção da Alemanha se aproximando em etapas da pequena área.

Quando finalmente a língua dele invadiu a minha boca, meus joelhos tinham virado geleia.

***

O caminho para casa foi marcado por amassos incisivos toda vez que um farol fechava. Ele enfiou a mão nos buracos do meu jeans para ter acesso às minhas coxas, e não a tirou de lá durante toda a viagem. Quando ele parou o carro na porta do meu prédio, ia abrindo a boca para chamá-lo para entrar.

Mas mudei de ideia.

Beijei ele mais uma vez, mordendo o lábio inferior dele com força para fazê-lo gemer. Abri o cinto de segurança e sentei no colo dele.

– O que você tá fazendo?

– O que parece?

– Mas…

– A rua tá vazia. Eu sempre tive essa fantasia, não diga que você vai negar.

Ele mordeu o lábio. Vi os seus olhos brilharem.

– A sua fantasia é transar comigo no carro para qualquer um que passar ver? – Eu assenti com a cabeça. – Você é maluca. Eu adorei, vem cá.

Retomamos o amasso, tentando nos livrar das roupas. O espaço era apertado e desconfortável, mas era claro que isso não era problema para nenhum dos dois. Ele tirou meu sutiã em meio segundo, a maior demonstração de habilidade que eu já vi de um homem na cama, e puxou o meu cabelo, descendo a boca pelo meu pescoço, ombro, colo, até chegar nos mamilos. Demorou-se por ali, sugando e mordendo de leve, enquanto as mãos apertavam a minha bunda.

Quando eu estava me contorcendo, enfiei minha mão dentro da cueca dele, rolando os olhos mentalmente para o fato de que era Calvin Klein. Comecei a tocá-lo devagar, provocando. Ele colocou o dedo indicador dentro da minha boca, e eu gemi imediatamente, como ele tinha adivinhado? Comecei a chupar o dedo dele como se fosse um boquete. Ele aguentou por mais dois segundos até arrancar minha calcinha.

Ele segurou meus quadris enquanto me penetrava com precisão cirúrgica. Eu olhava para a rua vazia e mal iluminada e a adrenalina de estar fazendo aquilo em público me dava um barato muito forte. Eu desci as mãos pelo meu corpo, tentando fazer alguma coisa com elas. Ele percebeu.

– Se toca. Eu quero ver.

Quem era esse cara, alguma espécie de robô do sexo da vida real? Obedeci imediatamente. Ele me olhava de um jeito muito safado, escaneando todo o meu corpo, demorando-se no movimento dos meus dedos, e voltando a me encarar. Não tinha como a brincadeira durar muito. Gozamos quase que ao mesmo tempo. Fiz questão de gritar o nome dele.

Só quando voltei para o banco do passageiro percebi que estava toda dolorida de cãimbras. Provavelmente amanhã sentiria as consequências dessa aventura nos meus músculos. Dei de ombros. Tinha valido a pena.

– E aí, quer subir? – Eu perguntei enquanto vestia as minhas roupas. – Mas toma cuidado que pode ser a porta de entrada para drogas mais pesadas. Tipo dormir de conchinha.

Ele sorriu de novo.

– Claro que eu quero.

Anúncios

Um comentário em “Capricórnio

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s