Câncer

tumblr_mzqc9gDxZt1rmbtiao1_500.jpg

Cheguei na cozinha e a observei fazendo força para conseguir abrir o vinho com o saca-rolhas. As coxas desapareciam dentro da camisola de algodão fininho, o pano quase transparente deixando à mostra a calcinha branca fio dental fazendo um trabalho bem sem vergonha de esconder a bunda empinada. Subi os olhos pela curva da cintura e os cabelos longos e cacheados. Ela finalmente conseguiu abrir o vinho e encheu uma taça.

A abracei por trás, segurando-a na altura da cintura, sentindo a curvinha do quadril que eu sempre achava uma delícia. Senti que ela tensionou na hora, se desvencilhando do meu abraço.

Pisquei aturdida por um segundo. Depois, rolei os olhos.

– Meu, não é possível que você tá puta de verdade.

– Me deixa. – Ela resmungou fazendo menção de sair da cozinha. Eu segurei o seu pulso, a trazendo de volta.

– Não, não, peraí, vem cá. Vai ficar de birra? – Ela levantou as sobrancelhas.

– Não tô de birra. – Eu continuei a encarando. Ela deu de ombros num trejeito afetado. – Quer conversar com ele, conversa. Pra mim foda-se.

– Não tá parecendo foda-se não.

– Eu tenho que achar tudo normal, né? Você ficar de conversinha como ex e eu ainda tenho que ficar de boa. – Ela tentou sair mais uma vez.

– Espera aí, podemos conversar? – Ela suspirou irritada. – Primeiro que eu não tô de conversinha, a gente tava falando de uma vaquinha para dar presente para um amigo em comum, aliás eu já te expliquei isso. E segundo que você é maluca se você acha que eu vou ter interesse em qualquer ex que seja quando eu tenho isso tudo na minha frente.

O canto da boca dela tremeu. Ela quis sorrir. Mas não cedeu.

Caramba, que menina difícil.

– Você é a menina mais gostosa do mundo inteiro. – Eu continuei, e senti que ela tinha amolecido. Fui me aproximando. – Eu quero te apertar, te chupar, te comer o dia inteiro. Tem zero motivo pra você ficar nessa noia.

– Mas…

– Mas nada. Vem cá, vai. – Eu a pressionei contra a parede da cozinha, coloquei minha coxa entre as pernas dela, enfiei meu rosto na sua nuca. Ela tinha cheiro de baunilha. Eu beijei a pele do pescoço, lambendo,sentindo o gosto dela, subindo até o lóbulo de sua orelha. Mordi e ela ofegou. – Me deixa te fazer gozar.

– Para… – Ela resmungou naquela voz que eu já conhecia quando ela queria fazer charminho.

– Só uma vez, vai… Deixa? – Não esperei a resposta e roubei um beijo. Ela logo passou as mãos pela minha cintura, me envolvendo como um polvo. Ela me beijava devagar, insistente, como se quisesse me engolir. Pressionei o meu corpo contra o dela, enfiando as mãos por debaixo da camisola. Passei pela pele macia da barriga, apertei os dois peitos com força. Ela gemeu alto, como sempre. Adorava o quanto ela sempre respondia aos meus toques.

Quando eu desci minha mão de volta pelo corpo dela, calcinha minúscula estava encharcada. Gemi na boca dela, passando meus dedos pela renda molhada de leve, provocando. Ela me segurava, me arranhava, se agarrava em mim, e não parava de me beijar por um segundo.

Deslizei a calcinha para baixo e ela soltou um gritinho gutural quando eu separei  os seus lábios com o indicador e o anelar, correndo a pontinha do dedo do meio pelo seu clitóris. Senti o corpo dela estremecer quando comecei a fazer movimentos circulares, devagar, do jeito que eu sabia que sempre funcionava.

Não demorou e ela desgrudou os lábios dos meus, gemendo alto. Sentia suas coxas dando pequenos espasmos enquanto eu continuava tocando no mesmo lugar, do mesmo jeito. Desci a outra mão para penetrá-la com o dedo, curvando dentro dela para achar o lugar certo. A boceta dela escorria na minha mão, ela tentava abrir mais as pernas a ponto de quase rasgar a calcinha presa na altura dos joelhos. Ela pediu para eu ir mais forte e eu obedeci, sentindo que ela se contraía ao redor do meu dedo, investindo os quadris contra mim como se tivesse perdido a capacidade de controlá-los.

Ela me beijou de novo quando gozou, sua língua passando pela minha boca sem ritmo, sem coordenação. Ficamos ali as duas arfando, até que eu sorri.

– Que delícia. – Ela torceu o nariz.

– Não pensa você que eu esqueci que você estava de papinho com o ex só por causa disso. Eu não esqueci! – Ela subiu a calcinha e saiu pisando duro pelo corredor. Eu suspirei, exasperada.

Hora do segundo round.

 

Anúncios

Um comentário em “Câncer

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s