Vlog – Minha coleção de sex toys!

Para comemorar o mês da masturbação, resolvi abrir minha pequena coleção de brinquedos eróticos pra falar da parte boa de brincar a sós. Tem curiosidade de saber como funciona um anel peniano? Quer comprar um vibrador mas não sabe qual é o modelo pra você? E a luva erótica, como funciona? Só assistir pra saber!

 

Anúncios

Vlog – Guia básico da pepeka

No vídeo dessa semana, udo de mais importante que você precisa saber sobre a anatomia da vagina, seu funcionamento e como cuidar dela direitinho.

Bonina

Às vezes no meio da noite, eu desperto como se uma descarga elétrica tivesse me acordado. Minha cabeça começa a revirar; o peso das minhas decisões e das minhas dúvidas, minhas ansiedades em não saber o que vai ser no futuro, minhas ansiedades com as insatisfações do presente, querer muito sem nem saber se o que eu quero é possível. Vai tudo aumentando, aumentando, e eu fico sem ar, parece que eu vou sufocar.

Aí eu procuro a sua mão na escuridão do quarto e você entrelaça nossos dedos, me puxa pra perto, aperta meu corpo com força, me acerta um beijinho sonolento no ombro. E de repente, minha respiração volta ao normal. Fica tudo bem. Eu nunca podia imaginar que a presença de alguém pudesse me trazer tanta paz, sempre estive tão acostumada com afetos caóticos, e agora o calor do seu corpo junto do meu me estabiliza de novo. De repente o quarto escuro, silencioso, é uma ilhazinha, e nada lá fora importa. E bom, se eu não for boa o suficiente para o futuro ou para os meus sonhos, não me resta nada a enfrentar, a realidade tem sido muito áspera comigo, mas também tem sido muito gentil, amanhã é outro dia, o sol se põe cada vez mais tarde, eu estou bem.

Eu queria ser mais forte, queria ser mais corajosa, queria ser mais soberana, queria não ter a cabeça e o coração tão bagunçados, ser tão medrosa, me sentir tão fracassada, queria ser a melhor versão de mim o tempo todo, porque eu acho que você nunca vai saber, ou entender, o quanto você me faz feliz, e independente do que aconteça, você já mudou tudo pra melhor, pra sempre.

Não era pra ser piegas, escrever sobre você é tão difícil. É só que eu vivo tanto dentro da minha cabeça, minha imaginação pode ser muito violenta, minha insegurança pesa, mas tem momentos em que a vida me prova que ela pode ser extraordinária.

Estar aqui com você é um deles.

Vlog – Testando calcinhas absorventes (Pantys)

Seguindo a minha saga de procurar métodos mais baratos e eco friendly pra lidar com a minha menstruação, dessa vez eu testei as calcinhas absorventes, um passo além dos absorventes de pano. Será que deu certo, finalmente?

Vlog: Histórias de horror no ginecologista

Recebo quase todos os dias mensagens de mulheres por causa do vlog que eu fiz esclarecendo dúvidas sobre o HPV. Geralmente, elas acabaram de receber o diagnóstico, estão confusas, desesperadas e com vergonha.
O vídeo que eu fiz tem informações muito básicas – que deveriam ser passadas pelos ginecologistas na hora do diagnóstico. Porém não é isso que acontece.
Isso é só um sintoma de um problema generalizado. Toda mulher tem uma história de horror de um ginecologista pra contar. Descaso, falta de informação, grosserias, abusos, slut-shaming… A lista é longa.
Numa sociedade em que a sexualidade feminina ainda é tabu, o consultório ginecológico deveria ser um oásis para mulheres discutirem sua saúde com informações precisas e longe de julgamentos. Mas não é o que a gente vê por aí.

No vlog dessa semana eu conto minhas histórias macabras de gineco pra levantar uma discussão sobre porque este atendimento fica cada vez mais precário.

 

Oito de Março – A luta ainda não acabou

Para o dia internacional da mulher deste ano, tive a honra de contribuir para um documentário sobre a luta feminista nos dias de hoje produzido pelo canal de televisão berlinense Alex TV.

O documentário tem meia hora e participação de mulheres de diversas partes do mundo, e eu fiquei muito feliz de fazer parte (e também adorei muito o resultado). O vídeo é em inglês e alemão (minha parte está em inglês), com legendas em alemão, caso alguém se interesse em conferir:

E você também pode ver o meu post especial sobre o dia da mulher, incluindo vlog, clicando aqui.

Vlog – Afinal, o que é a candidíase?

Nessa época de calor, carnaval, ficar o dia inteiro fora de casa, com roupinhas apertadas… As chances de ter candidíase aumentam! Mas afinal, o que é candidíase? Pega no sexo? Como trata? E se temos com frequência, dá pra fazer alguma coisa? Tudo isso e mais no vlog de hoje!

Luva erótica – Um detalhe simples que pode revolucionar sua vida sexual

Já ouviu falar da luva erótica? Não? Pois bem, esse acessório prático e barato pode fazer maravilhas pela sua vida sexual.

IMG_9992_01

IMG_9998_01
Vocês não imaginam do que essa luvinha é capaz

Não é segredo para ninguém que sou fã de brinquedinhos sexuais e estou sempre atenta à novidades neste mercado. Se fosse por mim, teria um closet inteirinho dedicado a eles, porém minha conta bancária di$$corda. O mercado de sex shops e acessórios de fetiche pode ser bem caro, por isso quando eu encontro sex toys por preços mais em conta fico logo doida pra experimentar.

Numa dessas minhas aventuranças na Internet em sex shops virtuais, acabei topando com a luva erótica, ou luva masturbatória, cuja existência eu desconhecia até então. Bom, minha única reação foi me perguntar por que raios eu nunca tinha ouvido falar disso antes???

Five-finger-Massage-Gloves-Adult-SDL737162565-6-3359c.JPEG
Sex toys bons, bonitos e baratos? Trabalhamos! Fonte: Amazon.com

O brinquedo é literalmente uma luva de silicone, parecida com aquelas que a gente usa pra lavar a louça e não estragar a unha, então taí uma boa desculpa caso alguém que não deveria ache o acessório nos seus pertences 😉

BronzeSpryArcticseal-size_restricted.gif
Fonte

O lance é que a luva erótica tem ranhuras e texturas para aumentar o prazer, seja solo ou acompanhado. Parecida com os dedais para masturbação, o diferencial é que, bom, todos os cinco dedinhos entram na brincadeira. Dependendo no modelo, há textura na palma da mão também.

As luvas oferecem várias opções diferentes, com texturas que prometem os mais variados estímulos. Algumas contam com uma ranhura especial para o estímulo dos mamilos na palma da mão, outras com dedos parecidos com um butt plug clássico, e por aí vai. A imaginação é o limite.

Por causa disso, as possibilidades são muitas, o que faz com a que a luva erótica seja um brinquedo muito versátil. E eu costumo dizer que ela é um sex toy dos mais democráticos; pode ser usada para estímulo clitoriano, prostático, vaginal, peniano, mamilar, para a penetração anal e vaginal, prática de fisting, no sexo lésbico, gay, hétero e o que mais você quiser inventar.

61ekUfbibDL._SX679_.jpg
Olha só esta luvinha bem gófica para fetichista nenhuma botar defeito! Fonte: Amazon.com

As luvas eróticas em geral devem ser higienizadas como qualquer acessório sexual, mas são em sua grande maioria laváveis, o que deixa tudo muito mais prático. A melhor parte é o preço: A minha eu encomendei pelo Amazon e paguei cinco euros. Os preços podem variar mas não ficam muito longe disso.

A que eu comprei foi esta daqui, mas existem outras parecidas disponíveis. Com frete para o Brasil infelizmente são poucas as opções, mas vale uma pesquisa em sex shops locais em busca do produto. Também dá pra encontrar em sites tipo Aliexpress!

Eu não poderia estar mais feliz com minha ~luvinha mágica. Seja para uma noite sozinha procurando bons contos eróticos, para impressionar uma mina num date, para um fio terra caprichado, ela está comigo em todos os momentos, por um ótimo custo benefício.

Novembro Azul – A masculinidade tóxica também mata homens

novembro_azul_masculindade_toxica
Fonte

O Novembro Azul começou como uma iniciativa semelhante ao Outubro Rosa, com a ideia de conscientizar os homens sobre o câncer de próstata. Como o dia internacional de combate a este tipo de câncer é 17 de Novembro, na Austrália iniciou-se uma campanha que se estendeu por todo o mês, e acabou se espalhando para outros países. Nos Estados Unidos e em outros lugares muitos homens deixam apenas o bigode na barba como maneira de aderir à campanha, mas no Brasil o que pegou mesmo foi a cor azul.

Informação por informação, é claro que conscientização é sempre bem vinda, porém o Novembro Azul é um tema por vezes polêmico. A postura oficial do Ministério da Saúde é a recomendação que a campanha se estenda para o resto do ano, para que os homens continuem se examinando e consultando, não só em novembro.

Também como no caso do Outubro Rosa é preciso ter muito cuidado com muitas empresas querendo pegar carona na iniciativa para fazer publicidade. Com tanto auê é fácil se esquecer da causa inicial, e muitas vezes os produtos especiais do Outubro Rosa e do Novembro azul são vendidos com uma porcentagem irrisória para institutos de prevenção e pesquisa – quando muito.

Portanto é importante sempre nestas campanhas de conscientização lembrar do que realmente está em jogo – e não quais produtos na cor do mês você pode comprar.

Câncer de próstata é coisa séria

Digressões à parte, polêmica ou não, a campanha trata de algo muito sério. Perdendo apenas para o câncer de pele, o câncer de próstata é o mais comum entre homens no Brasil e também o mais fatal. Embora seu surgimento seja mais comum na terceira idade, as populações pardas e negras sofrem com sua incidência em homens mais jovens – casos em o que câncer também é mais agressivo.

Apesar disso, o número de homens que vai ao médico fazer o exame preventivo é alarmantemente baixo. O que é um dado absurdo se considerarmos a detecção precoce do câncer de próstata é a maior aliada às chances de cura.

O procedimento combina o exame de sangue PSA com o toque retal. A recomendação geral é que os homens façam a consulta anualmente a partir dos 50 anos, mas esta idade pode diminuir dependendo do paciente (casos de câncer de próstata na família, estilo de vida, entre outros fatores). Portanto, o urologista deve sempre ser consultado.

Bom, aí chegamos ao ponto principal. Para mim, o fato de muitos homens infelizmente não detectarem o câncer nos estágios iniciais está ligados a dois fatores; um, existe um “tabu” em torno do exame de toque. Dois, homens em geral não vão ao médico e costumam ser péssimos administradores da própria saúde.

Contei em detalhes no meu vlog sobre o HPV como é feito o exame papanicolau em nós mulheres – exame este que geralmente precisamos fazer anualmente desde o início da vida sexual. O procedimento é desagradável e invasivo – muito, muito mais invasivo do que um exame de toque.

Procedimentos médicos em geral são desconfortáveis. Ninguém gosta de levar agulhada, de se submeter a posições extenuantes, sentir dor ou incômodo. Contudo, se levarmos em consideração vários exames que precisamos fazer muitas vezes ao longo da vida, o exame de toque retal, por si só não parece tão ruim.

O problema é claro não é o procedimento em si, mas sim a carga psicológica que ele evoca. Num modelo em que a honra e masculinidade do homem se fortalecem à medida que ele se afasta de qualquer associação ao signo feminino, a ideia de ser penetrado – mesmo que para um exame, para muitos pode ser um horror.

É até engraçado pensar nisso, mas a verdade é que muitos homens preferem colocar a própria saúde em risco do que fazerem algo que para eles está associado a um comportamento feminino ou homossexual (pra gente ter ideia do quanto essa masculinidade tóxica tem os alicerces bem fincadinhos na misoginia e na homofobia – ter câncer é pior do que ser mulher ou um homem gay).

Soma-se a isso o fato de que os homens estatisticamente vão menos ao médico. Inclusive 60% dos que vão só chegam ao pronto-socorro quando estão com doenças em estágios avançados.

Este dado muitas vezes é inclusive citado como argumento anti-feminista. Só que homens vão menos ao médico por razões profundamente machistas. Eles associam consultórios com pessoas “vulneráveis” como mulheres, idosos, e crianças, e para muitos estar entre essas pessoas é um atentado contra a própria masculinidade.

Pior ainda, os homens estão acostumados a não agirem como se a sua própria saúde fosse sua responsabilidade, delegando às mulheres na sua vida esta obrigação. 70% do homens ADULTOS só vão ao médico acompanhados das mulheres. Falei no meu texto sobre a importância do uso da camisinha de como os homens não só muitas vezes insistem em ter uma vida sexual irresponsável pulando o uso do preservativo como também não têm o costume de fazerem exames regulares de infecções sexualmente transmissíveis.

Um exemplo bem concreto de toda esta realidade é o caso do ciclista Vinícius Zambrião, que não fez os exames preventivos e só foi descobrir um câncer de próstata após a namorada insistir que ele fosse ao médico para verificar uma alteração nos testículos. Chega a ser quase inconcebível que um homem adulto precise deste tipo de incentivo para cuidar da própria saúde.

A masculinidade tóxica cria homens que são crianças em corpos de adulto.

Homens que são incapazes de praticar o auto amor e auto cuidado por consequência também são incapazes de amar e cuidar de outras pessoas; são pais piores, companheiros piores, mais infelizes, e muitas vezes, doentes.

A responsabilização pela própria saúde tem de passar pela auto reflexão.

A masculinidade não torna os homens perigosos só para os outros, mas também para si mesmos. Neste Novembro Azul, vamos sim continuar lembrando nossos pais, avôs, irmãos, tios, que eles precisam ir ao médico, neste mês e em todos os outros. Mas também vamos falar sério de saúde do homem, para que haja uma mudança de atitude.

Quem sabe assim um dia vamos viver em uma sociedade em que cuidar da saúde não é uma coisa ruim porque é coisa de mulherzinha.

É coisa de adulto.

Vlog – Testei a camisinha feminina!

Enrolei um tempão para testar o preservativo feminino por desconfiar se ele ia funcionar bem. Como colocar, como tirar? Será que incomoda? A resposta é: Tudo é muito mais tranquilo do que você provavelmente imagina!