Vlog: E eu,que fui emo? feat. Johnny Manfredi do Albumlogia

Que atire a primeira pedra quem nunca usou cinco de rebite, ouviu Simple Plan, tirou fotos ~orgásticas pra postar no Fotolog. Eu e meu amigo Johnny nos juntamos para lembrar com orgulho da nossa fase emo – afinal, ela formou muito da nossa personalidade, e fez com que muita gente tivesse amigos pela primeira vez. Vai ter ex emo sim, aqui é miguxo, porra!

Anúncios

O conto da mocinha solteira

bli
Fonte

Entrei em casa derrubando tudo. Cacete, cacete, cacete, era pra eu estar fazendo silêncio! Consegui entrar no quarto sem maiores estragos, tirando a roupa toda na maior aflição, essa blusa pinica, essa calça aperta, e foda-se, não vou tirar a maquiagem porque não é todo dia que dá pra gente ser um bom adulto.

Quando eu deito na cama, o mundo inteiro gira. Ok, ok, tudo bem, eu só preciso respirar devagarzinho. Meus ouvidos ainda estão zumbindo, reverberando o techno que eu ouvi a noite inteira, lá fora a luz do dia chegando preguiçosa e tímida. Luxo é saber que posso dormir até tarde amanhã. Não era exatamente a vida que eu imaginei que teria a essa altura, mas também não está ruim, aceito o que vier, tá de bom tamanho.

Reviro na cama, o álcool deixando minha pele febril. Estou cheia de energia demais para conseguir apagar, o corpo pulsando ainda, todo elétrico. Bom seria se eu tivesse trazido alguém pra casa, mas eu ando 100% sem saco pra essas conversas idiotas, todas as últimas vezes terminei querendo expulsar o fulano da cama, e além disso é sempre uma decepção mesmo, melhor ficar com a minha mão, que não tem contraindicações nem torra minha paciência.

Falando nisso.

Um suspiro sai trêmulo, um dedo alcançando a barra da minha calcinha fio dental. Caralho, esse cheiro de cigarro só sai do meu cabelo ano que vem. Tá, concentra. Separo bem as pernas, deixando o indicador passear por cima da renda, o toque suficiente para me fazer contrair de levinho – devo estar perto de ovular ou coisa assim, porque esses dias até se o pano da calça roça de um jeito mais tchan na minha perna eu já fico morrendo de tesão.

Em um minuto enfio a mão por dentro da calcinha. Já estou um pouquinho molhada, e dá um choque quando toco o meu clitóris bem de leve. Passo os dedos da minha entrada para o restante da vulva, lambuzando tudo, antes de achar o ponto certinho com o dedo médio.

Coordeno os movimentos circulares com as voltas que a minha cabeça alcoolizada dá, devagar, fechando os olhos sentindo o mundo girar novamente. A zonzeira dessa vez não me causa enjoo, só deixa mais fácil de desconectar da realidade, e minha mente começa uma peregrinação pelos arquivos guardados nas gavetas de “fantasias”.

Aquela vez que um cara meteu a mão dentro da minha saia enquanto a gente se pegava contra a parede da boate, aquele gif de squirting que eu vi outro dia no Tumblr, aquela menina que eu vi outro dia no metrô,  quando eu gozei me esfregando na minha ex-namorada, quando o ex-crush disse que queria me ouvir gemendo pra ele, quando eu fiquei sarrando no colo do meu ex ex dentro da piscina na frente de todo mundo…

Opa, opa. Não, espera. Ex errado. Até abro os olhos, chacoalhando a cabeça; sai demônio.

Tá, vamos retomar o raciocínio. Fecho os olhos, lembrando da sensação exata da língua de um peguete que por milagre era bom de oral. De-lí-cia quando ela deslizava devagarzinho dentre os meus lábios, quando ele fazia um biquinho e começava a sugar o meu clitóris sem pressa, separando os dedos dentro de mim, pressionando bem nos lugares certos, ele nunca parava, até eu gozar. Daí geralmente me virava de quatro, me fazia arrebitar bem a bunda, e antes de começar a me comer, me acertava um tapa que quase sempre me deixava marca. Nossa, deu até vontade mandar um “oi sumido” agora.

Tinha também aquela menina com quem eu nunca transei, e como me arrependo. A gente ficava se beijando por horas, ela tinha boca em formato de coração, usava sutiãs com bojo daqueles que desabotoam na frente, e eu adorava colocar as duas mãos por dentro da blusa dela, desfazer o fecho, porque ela sempre gemia muito gostoso quando eu beliscava os mamilos dela, sempre ficava muito molhada quando eu a tocava, abrindo as pernas e deslizando na parede, puxando meus cabelos. Que frustração nunca ter sentido o gosto da boceta dela, nem ter colado ela na minha, aposto que devia ser macia que nem o resto do corpo inteiro…

Eu paro um pouquinho, fico de bruços na cama, levanto os quadris. Agora eu tô muito molhada de verdade, meus músculos pulsando em pequenos espasmos. Geralmente eu tento evitar, mas com a percepção melada de álcool e tesão desse jeito, fica difícil. Como um ímã, meus pensamentos são atraídos para você, aquela vez que você estava me comendo de quatro no chão do seu quarto no meio de um ménage e eu secretamente só conseguia pensar “caralho eu amo dar pra você, podemos fazer isso de novo, podemos fazer isso pra sempre“, ou na primeira vez que você gozou na minha boca, seus gemidos estrangulados e fora de controle, ou você algemado na minha cama, teimando em se mexer, choramingando baixinho depois de eu ter te acertado um tapa e mandado ficar quieto;

– Mas eu não consigo ficar quieto!

Minha mão esquerda chega para o reforço, brincando ali de levinho na minha entrada, as pontas dos dedos penetrando só um pouquinho. Uma onda de adrenalina parte do meu ventre e desce pelas minhas pernas. Eu tô perto. O suor pingando das suas costas quando você se enterrava tão fundo dentro de mim que parecia que ia se perder lá, todas as vezes que você me comeu exatamente assim, segurando meus quadris enquanto eu me debatia de bruços na cama, sentindo cada centímetro do seu pau entrando e saindo, me contraindo ao seu redor e perguntando sem coordenação se você estava sentindo, se conseguia sentir, que eu estava gozando pra você, estava gozando no seu pau…

Não deu pra segurar. O orgasmo me atravessou de cima a baixo como um raio, eu me esfreguei na cama e deixei escapar uma torrente de obscenidades chamando o seu nome, meu cérebro completamente dominado.

Trêmula, abri os olhos, e rompeu-se a bolha erótica. Minha boca estava realmente seca, eu tremi só de pensar na ressaca do dia seguinte. Com os músculos relaxados, deitei na cama, esperando que dessa vez eu conseguisse dormir a noite inteira. Antes de apagar só pensava que bom, ainda bem que pelo menos na fantasia a gente pode fazer tudo que quiser.

 

Sobre a minha terra

Samerica_vir_2012202_lrg_(large)
Fonte: Nasa

A minha terra fica muito, muito longe. É preciso sair do continente, dobrar a esquina ali no Atlântico, e descer direto, até um cantinho do mundo em que você achou que já não tinha mais nada.

Só que ela está lá, e é imensa.

Tem prédios enormes, cheiro de peixe nas feiras, ondas que quebram com força na areia, fábricas que empoeiram o ar, música tocando em todos os lugares. Também tem rios mortos, dinheiro manchado de sangue circulando nas ruas, sereno misturado com medo assim que cai a noite.

Mas principalmente, tem gente. Muita gente, provavelmente muito mais do que você já viu na sua vida. Gente que acorda cedo e demora muito pra chegar no trabalho, gente que gosta mais de frio do que calor, gente que fica doente se o time perde, gente que prefere gato a cachorro, gente que fala uma língua só existe lá e que parece uma colcha de retalhos, cheia de meandros e pedacinhos e voltas pra dar conta de tanta ideia diferente. Tanta gente, que nasce, cresce, vive a vida inteira e você nem sabe. Você nem viu.

A minha terra, ela é um soco no peito, ela é um ferro em brasa, ela te atravessa e vai contigo pra todos os lugares, não te deixa esquecer. Eu posso estar aqui, posso me vestir como você, comer como você, beber como você, o tempo pode até apagar meu sotaque, você pode não imaginar. Mas lá no fundo, eu sei exatamente de onde eu vim, e isso me faz ser quem eu sou.

Vlog: Um papo sobre maternidade feat. minha mãe! Parte 2

Como recobrar a autonomia ao mesmo tempo que sua prole está descobrindo a própria autonomia? Na segunda parte do papo sobre maternidade com a presença especialíssima da minha mãe, uma conversa sobre a adolescência e a dificuldade de lidar com filhos que de repente têm vontade própria.

Um recado endereçado

O que aconteceu é só nosso. Porque mesmo que a gente tentasse, não tem o que dizer. Não tem o que explicar. Nem horas de prosa narrativa da mais prolixa seria capaz de fazer outras pessoas entenderem algo que não pode ser decodificado em palavras, sintaxe, sujeito e predicado.

O que aconteceu é só meu. O que aconteceu é só seu.

O que aconteceu é só nosso. Porque eu floresço em você, sou alguém mais livre, mais forte, mais verdadeira. E você desabrocha em mim, como foi, como eu encontrei alguém diferente de quem tinha deixado.

Eu nunca estive tão nua. Você vai me despindo com os olhos, os lábios, os gestos, as palavras.

Até só restar minha alma, inteira e cristalina, iluminando os cantinhos do seu quarto cheio de penumbra.

Não tem nada pra dizer. Eu sei, você sabe. Agora o tempo vai passar. Quem sabe aonde a vida vai me levar, quem eu vou me tornar, o que vai acontecer.

Mas uma coisa é certa: Eu sou mais feliz porque eu te tive um dia.

Mais um verão

 

rainbow_glitter_bokeh_texture_by_daftopia-d4ce89t.jpg
Fonte 

Fui feliz pela primeira vez aos vinte anos, e o que ninguém conta sobre felicidade é que ela amarga também. Nunca tinha sentido medo de perder, e de repente eu tinha muito. Tive medo de perder tudo; pessoas, oportunidades, momentos, tive medo de me perder de mim mesma.
Mas mesmo com todo esse pavor, a verdade é que eu acabei perdendo muito também. Perdi muita gente. Perdi muita coisa. Perdi amigos, perdi amores, perdi sonhos, e me perdi de mim, muitas e muitas vezes. O que eu não imaginava é que eu ia ganhar muita coisa. Quando alguma coisa se vai, geralmente vem outra em troca. A vida às vezes me levou por caminhos que eu nem podia imaginar. Acabei ganhando pessoas e memórias que acrescentaram muito, quando eu já achava que tinha tudo.
Hoje é meu aniversário. E às vezes eu me sinto muito velha, mais velha do que jamais estive; pesam as decepções, pesam as frustrações, pesam os “e se”. Mas eu também me supreendo com a minha energia, minha capacidade de ver magia em tudo, em continuar sonhando, alto, muito, sem esmorecer.
Eu nunca tive menos certezas na vida. Tudo é um grande ponto de interrogação. Não sei o que me reserva o dia de amanhã, não sei quem vai chegar, quem vai partir, aonde eu vou parar, tem vezes que eu não sei nem quem sou eu.
Mas eu não tenho mais o medo de perder. Algumas coisas são passageiras, outras são permanentes. Mas mesmo quando tudo se vai, só depende de mim fazer casa nova.
E hoje eu sei que consigo.

Vlog – Rapidinho sobre inveja

Com as redes sociais, a gente descobre que tem muita gente linda no mundo. E muita gente talentosa. E muita gente linda E talentosa. É difícil não sentir aquela pontadinha de inveja quando vemos os outros de férias nas ilhas Fiji, casando, tendo energia pra malhar às 6 da manhã. Mesmo assim, todo mundo finge que nunca sentiu inveja. Tá na hora da gente falar mais francamente sobre o assunto, até porque nem sempre inveja é uma coisa ruim.