Atenção, jovens! O Outubro Rosa também é para vocês

58810977f6748a808c49c9279037fdb4.jpg
Fonte: Flávia Totoli

Os números estão aí, e não são bons. Embora ainda raro, o câncer de mama em mulheres jovens está aumentando. Entre 2010 e 2015, houve um aumento de 2,6% nos casos em mulheres abaixo dos 40 anos. Com o agravante de que o câncer é mais difícil de ser detectado em tecidos mais jovens, e muitas vezes ele pode ser mais agressivo que em mulheres mais velhas.

Porém, não é um caso para alarmismo. É um caso para prevenção. Como em quase todo tipo de câncer, o diagnóstico precoce é a melhor arma na luta contra o tumor. Pessoalmente, acho que a campanha do Outubro Rosa tem se desvirtuado bastante, e é preciso retomar o seu propósito original: Falar de prevenção ao câncer de mama e saúde da mulher.

Muitas vezes estive em consultas com médicos displicentes com a minha saúde por causa da pouca idade, mesmo eu tenho histórico de câncer de mama na família. Por isso, é importante que a gente se aproprie da nossa saúde, faça o autoexame, e procure segunda opinião sempre que sentir que o médico não está nos levando a sério. Uma dica que funcionou comigo, caso você seja atendida por plano de saúde, é denunciar o clínico ao SAC do plano. Fiz isso uma vez quando um ginecologista se recusou a fazer o ultrassom das mamas, mesmo eu insistindo que tinha dois casos de câncer na família. O médico foi notificado, e o plano me indicou uma segunda ginecologista que pediu o exame.

Por sorte, eu nunca tive nenhum nódulo, e tenho seios bem pequenos, o que facilita na hora do autoexame. Mas os casos de tumores em mulheres abaixo dos 35 são mais comuns do que se pode imaginar. Abaixo reuni relatos de diversas mulheres jovens e suas experiências com a saúde das mamas:

Bruna, 25 anos
Ano passado, minha mãe foi diagnosticada com câncer de mama. 2016 foi um ano muito difícil. Eu sempre que lembrava fazia o autoexame, mesmo me achando nova e acho que errado também hahaha. É meio esquisito e nunca senti nada. Aos 22 anos coloquei silicone. E na ecografia mamária foram detectado dois nódulos na mama direita. Os medicos disseram que é comum entre as mulheres e na minha idade nao seria nada demais. Os nódulos foram retirados na cirurgia do implante. A biópsia não acusou nada também.
Fui ao meu médico no final do ano passado, pois gostaria de engravidar. Na nova ecografia apareceram três nódulos na mesma mama. Ou seja, em nem três anos eles voltaram… Saí chorando, pois o medo de passar futuramente por tudo que a mãe passou me assustou, né. Mas segui com os planos de engravidar, e estou quase ganhando já. Após amamentar, voltarei ao médico, vou marcar com o mastologista que cuida da minha mãe para facilitar a comunicação. Acredito que ficarão mais de olho em mim pelo histórico.
Lívia Beatriz, 26 anos
Quando eu era criança, eu adorava fazer o autoexame. Só porque eu achava bonito ser uma mulher adulta fazendo coisas de adulta, como muitas crianças. Daí, sempre fiz regurlamente. Até encontrar um caroço, aos 18 anos. Já pensei que era câncer. Mas era só um nódulo grande mesmo. Fiz a cirurgia para retirar porque ele estava um pouco grande mas o ginecologista mesmo falou que não tinha necessidade. O recomendado é tirar quando tem mais ou menos 1cm e ele tinha mais que o dobro. Daí, achei melhor tirar. O que achei louco na época é que eu ainda fazia só de zoeira mesmo. Fiquei com medo de achar mais hahaha mas tem que fazer, né … porque quando menos esperamos, pode rolar.
Luíza*, 27 anos
Este ano eu resolvi fazer um ultrassom das mamas e axilas, simplesmente por nunca ter feito antes, e achar necessária sua realização. Em abril marquei o exame, estava em uma onda de consultas, pois pretendo cuidar mais de minha saúde. Durante o ultrassom a médica percebeu a presença de algo diferente na mama esquerda. Ela disse que o meu tecido mamário é muito heterogêneo, ou seja, muita “confusão” entre a distribuição do parênquima e da gordura. O que a médica encontrou foi um suposto nódulo bem pequeno, não seria nem sensível ao toque. Só que ela não tinha certeza se era um nódulo ou um lóbulo de gordura, devido à constituição heterogênea da minha mama. Ela me informou que ainda que fosse um nodulo as características seriam de benignidade, então me pediu apenas para fazer o controle. Claro que minha mente assustada e hipocondríaca não sossegou né? Marquei mastologista na mesma semana. Ele me deu informações bem semelhantes, e pediu para fazer controle em seis meses com a médica de confiança dele em um laboratório específico. Os meses foram passando, e nos últimos dias minha ansiedade explodia em meu corpo. Enfim no momento do exame, a médica teve a certeza que se tratava de um nódulo, e que quase todas características exceto uma poderiam o configurar como fibroadenoma, um tipo de nódulo benigno. Para quem não sabe, a chance de ter esse tipo de nodulo é enorme. Meu médico me informou que entre 10 mulheres da minha idade (27 anos) 3 têm nodulo do tipo. Bom, essa única característica que não excluía a malignidade de cara foi necessária para me prescrever uma biópsia. Aí eu surtei. Sem contar os relatos de familiares que me falaram que o procedimento da punção doía muito. Levei o laudo do ultrassom para meu mastologista, e ele me deu a opção de fazer mais de um tipo de exame para verificar a natureza do nodulo. Por fim, eu optei por fazer uma mamotomia. Esse exame tem anestesia local, então juro que a gente não sente nada. E no próprio exame se retira o nódulo por completo, então a gente fica um pouco menos preocupada na hora de fazer o controle a cada seis meses por ultrassom (o que não deixo nunca mais de fazer). Durante o exame colocam um chip no lugar da extração para marcar qualquer crescimento eventual na área. Ahhh o chip não para a gente no aeroporto, perguntei pro doce de médico que fez o procedimento. Graças a Deus o resultado saiu rápido e não mostrou sinal de malignidade. Os achados foram sugestivos de fibroadenoma. Só que preciso fazer sempre controle, apesar desse tipo de nódulo não se transmutar. Não tenho dúvidas que vou manter ansiedade cada vez que fizer um exame do tipo, mas aconselho todas mulheres a fazerem um ultrassom, ainda que não sintam nódulos apalpáveis ou que sejam jovens. Mesmo que não encontrem nada, é bom criar esse hábito; conhecer a constituição e aspecto do seu peito; e também mesmo o nodulo benigno vai crescendo, mesmo que lentamente, e algum dia sentir ele no toque vai ser ainda mais horripilante. Isso sem contar com a possibilidade de aparecer um câncer em uma mulher com menos de 30 anos, o que não deixa de ser uma possibilidade. E o câncer de mama na mulher mais jovem é muito mais agressivo. Então por favor, todas se cuidem !
Gabriela, 25 anos
Desde os oito anos de idade eu sou muito peituda. Tive um desenvolvimento hormonal precoce e era uma pequena criança com peitões. Por ter os seios muito grandes, sempre tive muita dificuldade em fazer o tal do autoexame. Li em cartilhas, a ginecologista me ensinou, mas mesmo assim, é difícil. Tenho muita pele, gordura e tecido para conseguir sentir direito se há algo de diferente ou não. E mesmo que haja, muitas vezes uma leve diferença é sinal de uma alteraçãoo hormonal do ciclo menstrual e daí fica muito mais dificil de auto-diagnosticar. Já passei por ginecologistas que nem encostaram no meu peito, dizendo que eu era “muito nova e sem casos próximos de câncer na familia, por isso não precisava tirar a blusa não”. Outros, melhores médicos, me examinaram e, felizmente, nunca foi detectado nada anormal.
Márcia, 30 anos
Eu tenho vários cistos e alguns nódulos nas duas mamas. Quando eu descobri fiquei muito bolada. Aí o que se faz é acompanhar a cada seis meses por dois anos e se não houver alteração nesse período, fazer o ultrassom preventivo anualmente. Felizmente são nódulos todos benignos e hoje faço o exame só anualmente, mas sempre dá aquele medinho toda vez, né? Outra coisa é que como minha mama é cheia de cistos, o autoexame é praticamente inútil porque não dá pra distinguir direito o que é cisto ou nódulo, o que é uma merda. Mas todas as médicas que já fui repetiram que é muito difícil esse tipo de nódulo que eu tenho virar câncer, então hoje não me estresso muito com isso.
Bruna, 26 anos
Quando eu tinha uns 20 anos, tive um susto em relação à minha saúde mamária. Um caroço apareceu na minha mama esquerda, era duro e pequeno. Como não gerava nenhum incômodo, eu não dei atenção ao caroço de imediato e ele cresceu muito rapidamente. Em uns 10 dias cresceu tanto que chegou a deformar meu mamilo. Meu peito ficou inchado, quente, vermelho e doía quando eu erguia o braço esquerdo. Além disso, duas vezes havia saído leite do meu mamilo. E então, finalmente, eu fui ao médico.
Fizemos um ultrassom mamário e até então eu estava bem tranquila. Quando chegaram os resultados, vimos que o ultrassom indicava um tumor de alguns centímetros, esse tumor vinha de uma inflamação, mas era necessário verificar se o tumor era benigno ou maligno e para isso era necessário fazer uma biópsia – só que nada disso me foi explicado!
Meu médico tinha tantos dedos pra falar comigo e nada era dito objetivamente, ao invés de ser dito palavras como tumor, câncer, exame TAL, eram usados termos genéricos como “coisa pior”, e eu não conseguia entender com que exatamente eu estava lidando. O tom sério assumido e o excesso de hesitações do médico, só me apavorava mais!
Quando eu perguntei se era grave, ele me respondeu “é um tumor, né, claro que é, você já ouviu falar de tumor?” (sim, ele tinha esse jeito meio grosseiro). Eu que não sabia nada de tumores, entendi ali por essa informação e por todos as hesitações que ele estava dando na conversa, que eu estava com câncer. Quando ele me disse que teria que fazer uma biópsia pra saber se era benigno ou maligno, pra mim era só uma questão de saber se eu ia viver ou morrer. O que eu havia entendido até aquele momento era:
TUMOR = CÂNCER.
CÂNCER BENIGNO = UM CÂNCER BAD MAS QUE TEM CURA
CÂNCER MALIGNO = MORRE
Mas ao mesmo tempo que eu “recebia essa notícia bombástica” sobre a minha saúde, eu não me sentia acolhida. Eu queria fazer várias perguntas, mas meu médico me tratava desse jeito meio grosseiro, meio brincando e não me respondia nada objetivamente. Eu não entendia quais seriam os próximos passos, nada. Foi uma semana difícil! Então eu resolvi ir em outro médico, um que eu não me sentisse intimidada de falar e perguntar exatamente o que eu queria, porque escutar que você tem um tumor (que na minha cabeça era um câncer) e não se sentir a vontade de fazer as perguntas que você precisa, é horrível.
No outro mastologista eu descobri que se tratava de uma mastite, uma inflamação mamária – no meu caso, muito intensa -, que geralmente acontece em período de amamentação, mas também pode ocorrer com mulheres que fumam (que era meu caso) ou por algum traumatismo. O leite que saía do meu peito, no caso, não era leite e sim pus. Foram retirados do meu peito quase duas seringas de pus. Fiquei na iminência de fazer uma cirurgia pra tirar completamente o nódulo, mas após tratar a infecção ele praticamente desapareceu. Agora só tenho que ficar mais atenta a esse peito para acompanhar se não há nenhuma anormalidade.
No mais, deu tudo certo, e era muito mais tranquilo do que parecia no início.
Fica como aprendizado que é importante sim fazer as perguntas que você quer fazer para seu médico para não haver desencontros na comunicação em uma coisa tão importante quanto saúde. E sim, buscar segunda opinião é sempre válido.
Caso você não tenha certeza de como fazer o autoexame, informe-se aqui.
Caso você queira saber mais sobre sintomas precoces do câncer de mama, clique aqui.
*Nome alterado a pedido da autora do relato.
Anúncios

Falando sério

large
Fonte

Eu gosto de você. Gosto do seu corpo coberto de tatuagens, gosto do seu jeito manso, gosto dos nossos dias perdidos em ressaca no seu apartamento, gosto desse seu sotaque que eu não consigo entender antes do terceiro drink, gosto quando o álcool mela a nossa comunicação e faz tudo ficar mais fácil, gosto das marcas dos seus dedos no meu pescoço e na minha bunda no dia seguinte, gosto do seu pendor pra autodestruição tão parecido com o meu.

Mas você não imagina que às vezes quando a gente tá junto e eu já tô muito bêbada eu ainda penso no meu ex namorado, tem tanta coisa sobre mim que você nunca vai saber, tem tanta vida me esperando em dois cantos diferentes do mundo, e aqui eu nem existo, eu sou só um sopro e pra você eu sou só uma miragem, o que acontece aqui está desconectado do resto da minha vida, entende, e o efêmero é o que faz ser bom, eu gosto da folga de ser quem eu sou, a bagagem às vezes pesa, então se a gente puder deixar ela um tempo no guarda-volumes melhor.

Eu não gosto quando você blefa e se faz de difícil, para que complicar as coisas, mas se tem que ser assim, tudo bem, porque eu estou cansada do jogo mas ainda sei jogar, mas eu queria que você entendesse que se a gente está aqui junto é por algum motivo, seja pela putaria ou pela companhia, às vezes é tão exaustivo manter a pose, às vezes a gente se sente só, e tá todo mundo morrendo de medo de se estrepar, mas paciência, aproveita que eu to aqui de mãos livres sem bagagem pra te fazer um cafuné ou te arranhar as costas, e depois, depois é depois, você não ve que a gente ta perdendo tempo, se você puder parar de fingir eu agradeço, até porque eu me irrito muito com o fato de que funciona e eu fico querendo te ver toda vez que você some, eu não sou sua, nem nunca vou ser, mas agora posso ser, só um pouco, só um pedaço, só uma parte que existe agora e depois vai ser como se nunca tivesse existido.

As buscas mais inusitadas dos leitores do blog

tumblr_llf1frCngz1qkqz4no1_400
Fonte: Gentequebusca

Que a Internet é terra de ninguém, a gente já sabe. Você digita um treco no Google, uma coisa leva a outra, e de repente está vendo se existem abacates que nascem sem caroço ou numa compilação de dez horas de vídeo de gato.

Nessa combinação louca de algoritimos e palavras-chave, os caminhos que nos guiam pela web são misteriosos. Mas para mim, que escrevo sobre erotismo, é mais divertido ainda checar os termos de busca que fazem os leitores pararem aqui. Muita coisa inesperada, engraçada, e até que serve de inspiração. Achei que seria uma boa dividir com vocês, que afinal são quem fazem meu blog ter sentido, e mostrar essa parte divertida de quem está do outro lado, criando conteúdo. Aproveitem!

“Eu quero vídeo de sexo com muita pimenta”

giphy (1)
Fonte: Giphy

Pode ficar à vontade, mas parcimônia na hora de escolher as partes do corpo para brincar. Pode ser bem mais ardido do que se imagina!

“Porque paulista detesta mineiro”

giphy (14).gif
Fonte: Giphy

Imagino que este mineiro curioso tenha vindo para cá por causa deste post. Mas os paulistas não detestam os mineiros, certo, abigos paulistas?

“pimenta citrica dicas para masturbar”

giphy (2).gif
Fonte: Giphy

Grata pela preferência. Volte sempre! 😀

“pq os homens pedem pra transar sem camisinha”

giphy (3).gif
Fonte: Giphy

Imagino que por causa deste puxão de orelha. E então, meninos, POR QUÊ????

“contos eróticos musica pop”

giphy (4).gif
Fonte: Giphy

Caramba, é uma ótima ideia, mas acho que seria mais ou menos uma fanfic.

“contos eroticos sexo com pimenta”

giphy (5).gif
Fonte: Giphy

Acho que a seção de busca está querendo me dizer alguma coisa… Provavelmente o tema do próximo continho.

“contos elas gostam de chupar e punheta”

giphy (7).gif
Fonte: Giphy

Isso é muito pessoal. Tem que perguntar para cada “ela”.

“contos eroticos torturei o pinguelo dela”

giphy (8).gif
Fonte: Giphy

Seja lá quem for você realmente espero que você não tenha feito isso!

“mohlar dormindo d calcinha mohlada d tesao”

giphy (9).gif
Fonte: Giphy

Digitando com uma mão só, né? Quem nunca ¯\_(ツ)_/¯

“contos porno nao sentia minhas pernas”

giphy (10).gif
Fonte: Giphy

Taí uma fantasia específica

“conto erótico signo de escorpiao raiva”

giphy (11).gif
Fonte: Giphy

Se tá na Internet é verdade.

“conto erótico hortelã”

giphy (12).gif
Fonte: Giphy

Que refrescante!

“conto erotico torturei ela com pimenta”

giphy (13).gif
Fonte: Giphy

Tortura obviamente está em alta.

É uma delícia ler as buscas pra mim porque a coisa mais gostosa da natureza do sexo é justamente se divertir com ele, sem levar as coisas a sério demais. A linha entre o sexy e o ridículo é tênue, e é melhor ainda quando as coisas se misturam. Espero que vocês continuem frequentando o blog como um espaço livre para loucuras sem julgamentos e que o Google traga muito mais leitores sedentos por putaria pra mim 😉

Laceração

4bec4f1da077c318201c7239b6718eed--story-ideas-story-inspiration.jpg
Fonte: Wattpad

Que loucura isso aqui. Parece que a gente está numa bolha isolada do universo inteiro. O frio na barriga que eu sinto é claustrofóbico. É exaustivo ficar perto de você. Meus nervos ficam tão hiperativos que eu preciso de dias pra me recuperar das ressacas que você me causa.

Parece que o seu toque se encaixa no meu corpo com precisão cirúrgica. Eu estou vendo você me olhar desse jeito como se você achasse que eu sou demais pra você, e quem sabe deve ser mesmo, não é isso que todo mundo acha sempre, então diz. Fala o meu nome. Estala a consoante no céu da boca. Deixa as vogais derraparem nas arestas do seu sotaque. Eu quero ouvir você me chamar, quero ouvir meu nome estourando da sua boca como uma bolha de sabão. Eu quero existir nos seus lábios. Eu quero existir. Eu quero existir nos outros, quero sentir o que eu penso e o que eu sinto faz algum sentido para além dos meus momentos de solidão com a máquina de escrever. Estou cansada de ir, de voltar, de tentar, eu quero me desmontar, eu quero me deixar revirar, eu quero a verdade para além das personalidades inoxidáveis que a gente inventa. Toda história tem sempre dois lados, ninguém é exemplar o tempo todo, não quero ser nada, mais nada, não quero mais nenhum adjetivo chique, eu só quero a invasão do seu beijo febril, a dor do seu toque, todas as filosofias esquecidas no pé da cama. Só você, o meu nome, e as nossas inseguranças, brincando juntas na escuridão.

O tempo da alma

tumblr_onlikoE8Cp1vg1lo0o1_1280
Fonte: Tumblr

É quase a mesma coisa. Quando eu esperava o 847P sentindo Itaim Bibi no meio da Lapa, a música alta nos ouvidos, pensando na taça de vinho que me aguardava em casa, é quase a mesma coisa de estar aqui esperando a U7 sentido Rathaus Spandau em Kreuzberg. Só que não é. Porque eu não sou mais a mesma pessoa.

Dizem que quando a gente muda para um lugar novo, a alma chega atrasada. Eu queria um corte brusco; realmente me livrar das coisas e situações que me deixavam segura e confortável, para me redescobrir, longe das características circunstanciais que ameaçavam me engolir. Queria ter coragem para priorizar o que realmente importa para mim.

O processo, porém, é muito mais difícil do que eu tinha imaginado, nas pequenas coisas do dia-a-dia. Queria conhecer pedaços meus que eu não conseguia acessar, mas estar sem a segurança de se cercar de pessoas que sabem quem a gente é é desafiador e desconfortável.

Eu vim, mas minha alma ficou para trás. Talvez com medo de vir também e se transformar em outra coisa – o desconhecido é sempre assustador.

E embora a resistência também tenha sido parte do processo, agora eu vejo que mesmo exacutando as mesmas tarefas simples do cotidiano, minha alma não é mais a mesmo. E às vezes é confuso. Me refazer, redescobrir o que eu gosto e não gosto, quero e não quero, me importo e não me importo.

Às vezes eu acho mesmo que o maior medo sempre foi o de ser livre. Porque eu sempre desejei muito a liberdade, mas eu tinha medo das mudanças que ela podia me causar.

Mas uma coisa é certa; agora que minha alma chegou, se instalou, se contaminou e se transformou, ela não volta a ser a mesma nunca mais.

Inelutável

Meu maio veio para me atravessar. Já disse que nunca fui boa em resistir a tentações, e dessa vez não podia ser diferente. Me atropelou e me tirou do rumo, levei horas pra conseguir voltar para a estrada, mas era exatamente isso que eu queria, era exatamente isso que eu precisava, é bom saber que eu ainda estou viva, que minha capacidade de me atirar nas coisas continua a mesma. Só me resta dizer, pode vir, pode entrar, porque eu sempre gostei mesmo é do estrago e eu tô louca pra saber o tamanho do rombo que você vai fazer, pode me bagunçar, se misturar essa sua autodestruição sombria alemã com a minha falta de limites latina o que que dá, eu já nem sei mais se eu estou confundindo paixão com tesão, mas a verdade é que eu nunca gostei de gente perfeita, eu te quero por ser assim, cheio de falhas, egoísta, teimoso, irresponsável, do mesmo jeito que eu sou inconsequente, extremada, contraditória. Já consiguia sentir antes mesmo de começar que Maio vai doer, mas como tudo que é bom na vida, a gente deixa pra lidar com a ressaca depois, e se embriaga mais agora, que se é pra sofrer, melhor sofrer direito.

Sobre a Bruna

A primeira lembrança que eu tenho da Bruna é do primeiro dia de aula na faculdade. Tínhamos que nos apresentar para turma num microfone. Ela deu um passo à frente, sacudiu os longos cabelos para longe do rosto, piscou os olhões por trás dos cílios compridos e começou a listar alguns fatos. Nada de mais, que afinal ninguém ali tinha nada de muito extraordinário para contar, até que ela começou a enumerar coisas banais de que gostava e emendou um “adoro sexo” sem alterar o tom de voz, sem nem pestanejar. Eu, que até aquele momento estava me sentindo a própria doutora em desenvoltura, olhei bem para aquela menina de gestos tímidos, franjinha e sotaque carregado do interior de São Paulo, e pela primeira vez a enxerguei.

A Bruna é assim. Ela fala. Para ela, tem coisas que são como são, e não há vergonha nisso.

A Bruna também é parceira. Ela transita entre todas as tribos. Vai do sambinha ao Audioslave sem criar caso. Com ela não tem isso da pessoa ser isso ou aquilo. Pode ser tudo ao mesmo tempo, que é melhor ainda. Essa foi uma das lições que eu aprendi com a Bruna.

Ela tem o riso solto, e o choro mais ainda. Gosta de aproveitar a vida, gosta de contar histórias, gosta de ouvir histórias. Houve um tempo em que éramos só duas contra o mundo, em conversas que se estendiam pela madrugada enquanto a gente olhava a cidade da janela do apartamento. Uma com a outra, a gente tentava entender as injustiças, as experiências, o que significava ser mulher, o que significava ser adulta, como lidar os medos, as frustrações, as tristezas. Talvez a Bruna não saiba, mas muito da minha personalidade se formou ali, e roubei muito do jeito dela de ver a vida para mim.

Uma vez, a Bruna se cortou num caco de vidro. Foi um corte muito fundo, e sangrou muito. Tanto que dias depois a cicatriz ainda estava bem feia e inchada,e todos nós nos compadecemos dela. Ela contou que o machucado ainda estava doendo, e todos os presentes começaram a exclamar. Na quarta exclamação, ela soltou:

– Ai gente, já pode parar. Eu só queria confete, já tá bom.

Essa foi outra lição que eu aprendi com a Bruna. Ela nunca tem medo, nem vergonha, de ser totalmente franca, mesmo nas coisas que a gente geralmente esconde. Ela escancara, não tem medo de rir de si mesma, de chorar por si mesma, de demonstrar o que está sentindo, de contar quando a vida não está perfeita, quando a vida incomoda, quando ela está sem forças.

Hoje em dia, a Bruna cortou os cabelos longos. Eles são curtos e coloridos, ela já não fala mais daquele jeito tímido, e tem muitos feitos extraordinários para contar. Como eu, ela também está tentando encontrar o seu lugar no mundo.

Qualquer que seja ele, uma coisa é certa: Ela nunca vai passar despercebida.

Espiral

tumblr_nxkha3GY5B1qznmazo1_1280.jpg
Fonte: Tumblr 8tracks

Tá frio, tá frio pra caralho, mas eu não sinto mais nada, as pontas dos dedos dormentes enquanto você abre a minha boca e despeja mais Jägermeister. Essa situação é ridícula, e talvez nós dois estejamos velhos demais para estarmos bêbados nos beijando em cima do capô de um carro qualquer, minha calça grudada na neve e no metal. Mas foda-se também, eu sempre odiei tudo que é morno e prefiro estar assim, prefiro os seus beijos trôpegos, minha personalidade dionisíaca se encaixa tão bem na sua, talvez seja destino que vagabundos acabem se esbarrando nos cantos do mundo, talvez nós só estejamos nos recusando a crescer, mas eu adoro ser assim toda pequenininha pra minha cintura caber direitinho nas suas mãos, tem horas que me dá vontade de te engolir, tem horas que me dá vontade de correr que essa loucura toda só pode acabar quando eu me machucar mas foda-se, foda-se, foda-se, eu tô tão bêbada e você também, despeja mais álcool na minha boca, me dá um banho, me leva pra casa, arranca minha roupa, me come até a gente desmanchar na minha cama.

***

A gente entrou na banheira de roupa e tudo, e quando eu olho no espelho parece que meu coração tá batendo dentro do meu crânio, essa cidade, essa cidade é a cidade do pecado, eu vim aqui pra me perder, e enquanto você olha pra mim com essa cara de quem mal consegue focar aquela música vem na minha cabeça, I just wanna turn the lights on, in these volatile times… Mas tá certo, eu queria ser livre, e eu estou sendo livre, é que liberdade é uma coisa perigosa, ainda mais pra gente como eu, mas tá tudo certo, eu tô tão descolada da pessoa que eu fui que eu acho que ela não volta nunca mais e isso é bom, ela tinha medo, e eu não tenho mais medo de nada, então vem, turbilhão por turbilhão a gente se neutraliza, se for pra doer deixa doer com força, se a cidade é fria e o inverno é longo, vamos incendiar essa porra toda com gasolina e autodepreciação, até não restar tijolo sobre tijolo.

Até eu me acabar.

Até a gente acabar.

Até a onda quebrar, arrasar e ir embora, pra eu arrumar a bagunça depois.

Entre o sempre e o nunca

couple-shooting-stars1.jpg

Quase chorei no meio da aula quando cheguei naquela parte do livro que você me recomendou em que o Elio deixa o tal bilhete para a sua paixão, o Oliver, dentro de um livro. Zwischen Immer und Nie. Você me falou isso, e eu não tinha entendido. Achei que era só uma frase em alemão. Só fui entender quando cheguei nessa cena filha da puta. Meu coração deu um nó.

Mas foda mesmo foi quando eu cheguei na parte em que o Elio visita o Oliver em Nova York, muito anos depois do romance de verão deles. Lembra? O Oliver está casado, tem filhos. O Elio não. Fiquei me perguntando se vai ser assim com a gente. Minha imaginação excessivamente fértil logo pintou um cenário pronto. É tão fácil para mim imaginar todos os detalhes.

Consigo enxergar direitinho, você vivendo numa cidade do interior, numa casa térrea, com uma decoração em cores quentes, pendendo para o laranja, totalmente descoordenada e genérica do jeito que você sabe que eu detesto. Você não liga para isso, nem a sua companheira. Ela tem um jeitinho doce e desencanado, rosto de traços simpáticos, um estilo meio hippongo. Vocês têm dois filhos. Eles entram e saem da sala para o quintal aos gritos, brincando de pega. A casa é cheia de livros e cheia de janelas emperradas, maçanetas quebradas, e paredes infiltradas que vocês dois nunca se preocuparam em consertar.

Nesse futuro paralelo, quando eu chego para visitar, contrasto com tudo na sua vida. E como a porra da imaginação é minha e pelo menos alguma vantagem tem que ter, estou muito bem, obrigada. Bem sucedida, bem comida, bem viajada. Uso jeans colados no corpo e salto agulha, conto de todas as coisas que ando fazendo, o meu mundo é imenso. Aí sentamos os três naquela sala, o passado tão distante do presente, que nem naquele clipe da Gwen Stefani.

Nessa hora, me perguntei se seria assim, ou se vai ter algum capítulo mais próximo na nossa história. O pior é que antes de você eu nunca nem quis estar com ninguém. Nem conseguia me imaginar em um relacionamento assim antes de você. Não podia imaginar que era possível ser tão eu mesma ao lado de outra pessoa, sem ter que editar nada, nada, da minha personalidade.

Nem podia imaginar que eu ia encontrar tanto de mim em você. Ah, se as pessoas soubessem que por trás dessa sua máscara de bom moço, tem tanta coisa que você esconde. Você sabe que eu te conheço de verdade. Eu sou assim toda errada, toda estragada, mas você também é. Nos reconhecemos um no outro. Tipo um Namastê ao contrário, a sombra que habita em mim saúda a sombra que habita em você.

Conheci esse seu jeito depravado, egoísta, sombrio, corrompido e me apaixonei por ele. Você não é perfeito, e eu não sou nem nunca fui. De repente era um alívio saber que com você eu tinha segurança pra gente se trancar no nosso mundinho em que a moral era colocada de cabeça para baixo, os limites se dissolviam, a selvageria era bem-vinda. Mas acabou e assim é, não há o que se possa fazer, existe muito pouco que pode ser dito, menos ainda que pode ser feito, vivi a vida inteira muito bem sozinha, eu e minhas sombras, e assim vamos ter que aprender a seguir.

Mas a sua doçura e barbárie, a sua versão para todos e a sua versão só para mim são coisas que ninguém vai me tirar. Vou levar comigo, para lembrar que um dia, a gente existiu. E em algum lugar vamos continuar sempre existindo: Entre o sempre e o nunca.

Neste 8 de Março de tempos sombrios, de onde tirar esperança para continuar lutando?

 

Este vídeo foi publicado em 2014 no vlog de um amigo muito, muito querido. De lá pra cá, bastante coisa mudou. Então vim aqui fazer justamente o que propus no vídeo: Refletir sobre o movimento de igualdade de gêneros nos últimos anos.

Sinceramente, está difícil falar com otimismo e esperança. Só nesta semana, muitas notícias mostram que a vida das mulheres continua sempre sob ameaça, continua sempre valendo muito pouco. Bruno Fernandes de Souza, ex-goleiro do Flamengo, julgado e condenado pelo assassinato da mãe de seu filho num crime que chocou o país, conseguiu Habeas Corpus e já recebeu propostas de nove clubes brasileiros. O ator Casey Affleck, acusado de assédio, foi premiado com o Oscar, a maior honra que se pode receber em sua profissão, provando que reputação não conta quando se é homem. E duas crianças, de seis e dez anos, foram assassinadas pelo próprio pai a facadas, que queria se vingar da mãe pelo término do relacionamento.

Não está fácil.

No últimos anos, o feminismo alcançou uma projeção midiática sem precedentes. Artistas de grande renome e projeção começaram a falar sobre o assunto. Vimos Beyoncé no palco do VMA na frente de um grande leitreiro onde se lia “feminista”. Vimos Katy Perry se juntando à marcha das mulheres. Vimos muitas atrizes, cantoras, pessoas de destaque se assumindo como feministas. E por mais catártico que seja ver a nossa causa ganhando reconhecimento (e acreditem, eu sei que é), isso não nos protegeu. O Brasil é  o quinto país que mais mata mulheres no mundo, e vimos um aumento de 54% no assassinato de mulheres negras em 2015. Num ranking de 144 países, somos o 79 em igualdade salarial. As mulheres negras chegam a ganhar inacreditáveis 40% que os homens brancos na mesma função. As jornadas duplas e triplas continuam sendo realidades. A luta pela discriminalização do aborto avançou muito pouco. Pela primeira vez desde a ditadura, não temos nenhuma mulher no quadro de ministros.

Acho que tudo isso mostra que o feminismo precisa se alinhar com uma mobilização mais ampla. Em vez de nos unirmos pelo que nos diferencia, precisamos nos unir pelo que nos aproxima. Precisamos nos unir em torno de um ideal comum, reconhecer as opressões que nós todas sofremos, darmos plataformas às mulheres que têm ainda mais direitos extirpados. Dar voz às mulheres trans, negras, periféricas, lésbicas, bissexuais. Dar voz às mães solteiras, às portadoras de deficiência, às marginalizadas. Ficou claro que adianta muito pouco colocar um rosto no feminismo. Ele precisa ser a luta de todas nós.

Neste dia oito de março, infelizmente, precisamos chorar. Precisamos sentir a dor das 530.000 mulheres estupradas por ano no Brasil. Precisamos chorar a perda das mulheres assassinadas em 2016. Precisamos estar de luto, mas precisamos seguir lutando. O machismo continua matando. Nós continuamos morrendo. Por isso, mais do que nunca, o ativismo precisa ser real, precisa ser mais do que só virtual, precisa se estender para fora de nossas bolhas. Neste oito de março, em vez de perguntar o que o feminismo pode fazer por você, pergunte o que você pode fazer pelo feminismo.

Infelizmente, estamos engatinhando. Não conseguimos nem garantir uma vida sem violência para as mulheres. Não conseguimos nem garantir igualdade salarial para nossas filhas. Mas amanhã é um novo dia. E vamos precisar lutar de novo, e de novo, e de novo. Não só por mim, não só por você. Mas por todas nós.