Mais um conto publicado na plataforma Jmamuse!

Opa, gente! É com o maior prazer que eu venho contar pra vocês que mais um continho meu foi publicado em uma das minhas plataformas eróticas preferidas, a Jmamuse! Desta vez, em português! Corram lá para reler este que foi o primeiro conto publicado aqui no blog, e aproveitem para conferir o conteúdo que eles oferecem que voces nao vao se arrepender 😀

 

Anúncios

Reencontro de faculdade – Parte 2

PRIMEIRA PARTE AQUI

MENAGE
Fonte

Quando eu entrei no quarto dos dois, tinha o mesmo cheiro do quarto da Marie que ela costumava dividir com duas amigas, na Aclimação. Tenho uma memória olfativa muito aguçada, é terrível, e tem gente que tem cheiros muito característicos. O da Marie era meio doce, porque ela sempre usava óleo de amêndoas, mas também tinha alguma outra coisa que eu não conseguia identificar.

Eu matei a caipirinha com um último gole, sorrindo meio nervosa para os dois ali na minha frente. Tá certo, não vou nem fingir que não tinha pensado em ficar mais uma vez com o Lucas e a Marie, e quando soube que os dois estavam juntos com os dois ao mesmo tempo (apesar de que esse sentimento apareceu depois do choque e do ciúme inevitáveis), mas era diferente estar ali realmente naquela posição.

– Alguém vai falar alguma coisa? – Pedi, levemente aflita. – Assim eu fico nervosa.

– Pra ser sincero, quem tem que estar nervoso aqui sou eu. Vou ter que dar conta das duas. É muita areia pro meu caminhãozinho. Muita pressão. Ninguém pensa no sofrimento dos homens.

Eu desatei a rir.

– Realmente, é de dar dó.

– Mas é claro! – Ele ajeitou os óculos, andando em direção a nós duas. – Muita expectativa da sociedade, uma covardia até, eu estar indo pra cama com as duas mulheres mais gostosas que eu já peguei, ao mesmo tempo. Tsc.

Eu corei. O Lucas sempre tinha sido daquele jeito, tímido, tímido, tímido, até que em algum momento soltava aquelas coisas inesperadas. Eu olhei pra Marie, como quem diz, “você tirou a sorte grande hein”, e ela me encarou de volta, os olhos dizendo “eu sei”.

Eu mordi meus lábios, suspirando pra afastar o nervosismo de vez e a beijei de novo. Naquela hora me doeu um pouco que a gente tivesse se afastado, que eu nunca tinha dito pra ela que eu admirava muito a mulher que ela tinha se tornado, e que ela tinha sido muito importante pra mim. Mas logo esses pensamentos nostálgicos foram empurrados da minha mente.

– Gente, desculpa meu comentário babaca, mas assim, cês tão realizando meu sonho do segundo ano de faculdade.

A Marie rolou os olhos.

– Você podia fazer algo de mais útil com a boca em vez de ficar falando besteira.

– Um bom ponto. – O Lucas concordou, dando de ombros e se aproximando. Ele colocou uma mão no rosto da Marie com carinho, e os dois trocaram um sorriso cúmplice antes do beijo. Assim, que casal. Eles eram lindos e mais lindos ainda juntos e a minha noite já estaria de bom tamanho se eu fosse só sentar e assistir. Quando eles se soltaram, o Lucas virou pra mim, colocou a mão livre na base da minha nuca e me encarou por um segundo, os olhos castanhos amendoados enormes por trás dos óculos grossos. Um pouco intimidante, um pouco hipnotizante. Talvez na mesma proporção.

Ele provocou um pouco, chegando bem perto e esfregando os lábios nos meus. A boca dele era vermelhinha e carnuda, os lábios curvados para baixo, e sempre foi a característica que eu mais gostava dele. Segurei os dois lados do seu queixo e finquei os dentes no lábio inferior, porque porra, fazia muito tempo que eu estava morrendo de vontade de fazer aquilo. Eu me lembro da sensação de beijá-lo pela primeira vez, de sentir que meus joelhos tinham virado geleia. E mesmo depois de tanto tempo, incrível, parecia que eu estava sentindo a mesma coisa.

Quando ele se afastou, eu ri baixinho porque os óculos dele estavam levemente embaçados. Ele acariciou meu lábio inferior de leve com o dedão, puxando a Marie para perto com a outra mão.  Ela esfregou os lábios nos nossos antes de me beijar de novo, aí o Lucas puxou o meu cabelo e mordeu o meu pescoço, e nossa. De repente eu lembrei que fazia bastante tempo desde minha última transa, tipo, bem mais tempo do que eu gostaria de admitir. Alguma coisa fez clique dentro de mim.

O amasso ficou bem mais desesperado de repente, um monte de mãos trôpegas tentando encontrar caminhos por entre roupas e corpos suados, toda a tensão da noite toda, o álcool, a adrenalina, agindo de uma vez só. Segurei a cinturinha da Marie, enquanto ela enfiou as mãos dentro do meu vestido de algodão para apertar a minha bunda. Puxei a blusa dela para cima, revelando um sutiã verde marca-texto (veja só, então a Marie que eu conhecia ainda dava sinais de vida) escondendo os seios perfeitos. Realmente, gostosa ela sempre tinha sido, mas o tal pilates e a dieta paleo e não sei mais o que estavam fazendo efeito, o corpo dela estava forte e definido, eu fiquei boquiaberta e me perguntei por talvez um segundo se eu não poderia de repente abandonar minha rotina de uma garrafa de vinho e um pedação de queijo por dia.

O Lucas finalmente tirou os óculos, colocando eles em cima da cama de maneira desajeitada, antes de sentar na beirada da cama e puxar nós duas (a Marie pelo cós do short) para o colo dele. Eu e ela trocamos olhares. Mas confesso que talvez se estivesse no lugar dele ia querer fazer o mesmo. Até pior.

Ele inclinou o torso um pouco para trás, apoiando-se nas mãos, eu e Marie uma em cada perna. Eu cheguei pertinho, fingi que ia beijá-lo por um tempo só pra torturar, até que Marie acabou com a brincadeira, mordendo meu lábio com força. Demos um beijo triplo e eu lembrava vagamente, bem vagamente, que já tínhamos feito aquilo antes em alguma festa embalados por muito Velho Barreiro, mas aquilo era completamente diferente. Depois, eu e Marie descemos beijinhos em cada lado do pescoço do Lucas – o que custa apreciar o menino um pouquinho – trocando olhares safados.

Ao mesmo tempo, fomos subindo as mãos devagar pelas coxas do Lucas, apertando sobre o short. Ele jogou a cabeça pra trás, respirando forte, as bochechas corando por debaixo das sardas, os olhos fechados fazendo os cílios muito compridos e pretos contrastarem com a pele muito branca. Um gemido gutural escapou quando eu e Marie apertamos o pênis dele por cima do short, e nós trocamos mais um olhar cúmplice. Provocamos por ali por um tempinho, até que eu desabotoei a braguilha e nós duas enfiamos a mão dentro da cueca do Lucas.

Ele gemeu alto, o quadril dando um espasmo.

Ok, definitivamente eu estava há tempo demais sem sexo.

Ele abriu os olhos, nublados de tesão, encarando a Marie, que respondeu com um sorriso. Os dois se beijaram de novo, e ela sussurrou alguma coisa no ouvido dele que eu não consegui escutar.

– Assim não vale, poxa. – Reclamei. Ela não respondeu, só arqueou as sobrancelhas com aquela expressão de quem está prestes a aprontar. Me beijou mais uma vez, com aquele beijo mandão de sempre, e desceu para se ajoelhar na minha frente. Eu fiz menção de falar alguma coisa, tentando entender o que se passava. O Lucas tirou minha mão da sua cueca (não sem antes fazer um biquinho), e me segurou pelo quadril para que eu me ajeitasse no seu colo e ficasse totalmente de frente para a Marie. Depois, segurou meus dois braços atrás das minhas costas, de forma de que fiquei imobilizada. Com a mão livre, ele puxou meu cabelo na altura da nuca. – Por que eu to achando que vocês já tinham combinado isso antes? Eu to sentindo que caí numa armadilha.

A Marie riu de lado, sacudindo os cabelos de novo e separando minhas pernas na altura dos joelhos. Depois, ela subiu o meu vestido até quase chegar na minha virilha, sem nunca deixar de encarar. Os olhos da Marie eram meio sobrenaturalmente grandes, cor de mel quase verdes, e dava pra contar as manchinhas nas íris dela. A Marie sempre olhava pra pessoas como se fosse engolir; seja de raiva, de alegria, de tesão, dificilmente ela dispensava indiferença a algo ou alguém. Nisso a gente sempre foi muito parecida, talvez uma razão de tantos embates de ideias anos atrás.

Enfim.

Ela mordeu a lateral do meu joelho esquerdo, subindo beijos molhados pelas minhas coxas. A sensação era um misto de cócegas e arrepio, eu me contorci no colo do Lucas, que continuava a me segurar bem firme. Quando ela tirou minha calcinha, eu já tinha fechado os olhos.

A Marie é do tipo de pessoa que nunca faz nada pela metade. Tudo dela tem que ser o melhor, e com o oral não poderia ser diferente. Nunca tinha esquecido das nossas noites intermináveis, transas que duravam horas a fio, como ela se empenhava em me fazer gozar três, quatro vezes. A habilidade continuava a mesma. Ela me chupava de maneira focada e intensa, e eu sentia minha respiração sair do controle, meu corpo começando a suar.

Sentia o pau do Lucas sob o short, e me esfregava nele de leve enquanto a Marie me chupava. Ele continuava me segurando firme, o que me enlouquecia mais ainda, mas em determinado momento me soltou, descendo as alças do meu vestido e sutiã para apertar os meus peitos. Uma das minhas mãos livres desceu imediatamente para puxar os cabelos da Marie, e a outra se esgueirou novamente para dentro da cueca do Lucas. Eu estava me sentindo totalmente exposta, pulsando, parecia que todos os nervos do meu corpo estavam na ponta da língua da Marie, e ouvir o Lucas gemendo no meu ouvido enquanto eu fazia uma punheta desajeitada estava a ponto de me enlouquecer.

Puxei os cabelos da Marie com força para ela subir, porque era a minha vez. Estava esbaforida e vermelha, completamente desmontada. Me virei para beijar o Lucas antes de levantar e empurrar a Marie para a cama, tirando o que me restava do vestido com pressa. Me livrei do short dela de uma vez, desabotoei o sutiã chamativo e me deitei sobre ela. Estávamos as duas agora só de calcinha, e eu podia sentir o olhar do Lucas sobre a gente, mas naquele momento só uma coisa importava. Eu precisava chupar a Marie de novo, e JÁ.

Tanto tempo gasto naquela fantasia, tantas vezes eu tinha gozado sozinha pensando naquilo, em descer minha língua por cada cantinho dela só mais uma vez. Eu lembro de chamá-la de “boceta de mel” só para irritá-la na época em que a gente estava junta, mas a brincadeira tinha um fundo de verdade. Eu separei as suas coxas e comecei a chupá-la.

Devagar, tentando lembrar cada truquezinho que ela gostava. Ouvia os seus gemidos e a respiração entrecortada do Lucas, caprichando o máximo que eu podia no oral. Fiquei por ali um bom tempo.

Até ela gozar.

Ela segurou meu cabelo com força, arqueando o corpo para frente, se esfregando em mim, como fazia antes. Depois, desmontou na cama. Eu olhei para o Lucas, uma mão dentro do short, a camiseta no chão, os olhos arregalados, a boca inchada. Arqueei uma sobrancelha com aquele olhar de “fica esperto porque se eu realmente quiser eu roubo sua mulher”, antes de me livrar da minha calcinha e me deitar sobre o corpo suado da Marie. Sorri na boca dela antes de a gente se beijar mais uma vez, puxando os quadris para cima para que a gente pudesse colar velcro como se deve.

Me esfreguei nela, o corpo inteiro pulsando, e ela me abraçou, grudou inteira em mim. Cada investida dos nossos quadris um contra o outro me fazia ver estrelinhas, parecia que mundo inteiro tinha sido reduzido a nós duas, eu nem conseguia mais ligar o cérebro pra pensar em nada.

Mas aí, de repente, junto com todo o estímulo, senti uma língua deslizando na minha entrada. Gritei de leve, tentando entender o que estava acontecendo, quando percebi que o Lucas tinha se ajoelhado na cama e estava chupando nós duas enquanto a gente se esfregava.

Meu corpo quase desligou a chave geral quando a ideia se formou na minha cabeça. Parei o beijo, gemendo no ombro da Marie que não parava de arranhar as minhas costas. O Lucas apertava a minha bunda, meu clitóris beijando o dela enquanto ele ia beijando nas duas, e quando ele enfiou dois dedos dentro de mim não durei muito, não deu.

Soquei colchão com o punho fechado, gemendo alto contra a pele da Marie. Ela sorriu para mim, gemendo baixinho com uma careta. Provavelmente o Lucas não tinha parado.

– Acho que eu quero gozar de novo. – Ela sussurrou.

– Ah, é? – Eu respondi sem ar.

– Correção. Acho que eu quero que você me faça gozar de novo.

Eu ri de leve, deitando de costas na cama. A Marie se levantou, puxou o Lucas pelos cabelos para um beijo desastrado. Depois me deu um dos travesseiros. Eu mordi o lábio, tentando não rir porque o nível de endorfina estava meio ridículo naquele momento, ajeitando o travesseiro sob a minha nuca.  A Marie ajeitou os cabelos, respirou fundo e se ajoelhou em cima do meu rosto, as mãos segurando firme na cabeceira de madeira atrás de mim.

Eu segurei os quadris dela, fechando os olhos e passando a língua devagar por toda a extensão da sua vulva. Ela gemeu alto. Eu sabia que ela estava muito sensível, e também muito molhada; encharcada na verdade. Saber o motivo daquilo fez a minha cabeça rodar. Comecei a sugar o clitóris dela de levinho, antes de passear com a língua por ela inteira outra vez. Ia demorar um pouquinho para ela gozar de novo, então eu ia ter que fazer tudo com delicadeza. Ela gemeu quando o Lucas fez alguma coisa que eu não vi, e aí senti as mãos dele nas minhas coxas.

Um dos dedos dele me penetrou, curvando dentro de mim. Eu gemi abafado, surpresa com o choque de desejo que percorreu todo o meu corpo. Ele começou a fazer movimentos circulares com o dedão no meu clitóris, pressionando meu ponto G por dentro, e eu tive me concentrar bastante para não me atrapalhar toda no que estava fazendo. Ouvi um pacote de camisinha sendo aberto e ok, na verdade aquela era ideia era incrível e quando ele segurou meu quadril e deslizou pra dentro de mim de uma vez só eu tive que parar um pouco para não gritar.

Desse ponto pra frente durou muito pouco; estávamos os três sensíveis demais, depois de tempo demais. Lucas me comia com força, imprimindo movimento aos quadris a cada investida, enquanto a Marie tensionava o corpo na minha língua. Os dois estavam se beijando, eu podia ouvir, e eu desci um dedo para complementar o estímulo, sentindo minha vulva inteira contrair.

O Lucas foi o primeiro a gozar, com a série de estocadas fortes que puxaram o meu orgasmo. A Marie não demorou muito mais, gemendo alto e se esfregando em mim a cada onda. Caímos os três na cama, cada um para um lado. Os três exaustos, cobertos de saliva, gozo, suor.

– Bom, acho que todos o nossos colegas ouviram a gente transar. – A Marie desatou a rir.

– No caso de nós duas, não seria a primeira vez.

– Não mesmo. – O Lucas confirmou. Ele tirou a camisinha e eu estava lutando para manter os olhos abertos depois de toda aquela maratona sexual. Ele beijou a Marie, preguiçoso, os dois sorrindo um para o outro, os olhos brilhando de amor. E naquela hora eu senti uma fisgada por dentro, eu estava tão acostumada a estar só há tanto tempo, era tão rotineiro e natural, mas eu me perguntei como seria, ter alguém pra me beijar daquele jeito, me olhar daquele jeito.

A Marie veio me fazer uma conchinha, beijando meu ombro de leve e sorrindo para mim. O Lucas me ajeitou na curva do seu ombro, empurrando os cabelos lisos para longe da testa suada. Eu olhei para as pernas da Marie, as minha e as dele, um degrade de tons.  Era como se misturassem café com leite o resultado fosse a cor da minha pele, e uau, eu devia estar chapada ainda e nem percebi.

Pensei em estar de volta na Europa, vendo as fotos dos dois nas redes sociais, na estrada que nos levaria de volta a São Paulo na noite seguinte, nas pessoas que nos tornávamos, e a minha cabeça pesou. Um banho seria uma boa, mas minha mente apagou antes. Dormimos os três enrolados uns nos outros, a chuva fina ainda caindo lá fora.

Reencontro de faculdade – Parte 1

MENAGE
Fonte

Chegamos no tal sítio no início da noite. A Leila se perdeu no caminho, lógico, mas realmente o tal lugar era no meio do nada. E eu também nem dirijo, não teria chegado lá sem a carona dela, então.

Bom, é isso. Nem parece, mas realmente já estamos fazendo cinco anos de formados. A tal reunião começou a ser ensaiada meses antes, num grupo criado especialmente pra isso no WhatsApp. Sinceramente, não botei muita fé. Me pareceu aquelas coisas de “vamos marcar!”, que todo mundo se entusiasma mas nunca vai pra frente. Estava errada.

Das trinta pessoas da classe, parece que dezoito iriam, o que era bastante, considerando que muita gente tinha casado/tido filhos/mudado para o exterior (às vezes as três coisas juntas). Negociamos uma chácara em Bom Jesus do Meio do Nada, com todos os confortos; quarto pra (quase) todo mundo, piscina, varadão, até fogão a lenha.

Eu não podia estar mais animada. Se fosse minha turma de escola teria me horrorizado à perspectiva de ter que ficar frente à frente com meus algozes de adolescência de novo. Mas com o pessoal da faculdade, era diferente. Sempre me dei muito bem com eles – na verdade, me senti em casa pela primeira vez entre gente que tinha as mesmas paixões que eu e estava muito animada para rever todos. Tinha alguns amigos próximos da classe que encontrava com frequência, e outros que sempre via aqui e acolá, num bloquinho de carnaval que calhava de todo mundo colar, ou quando um post no Instagram levava a outro e a gente se juntava na Parada. Mas assim, todo mundo, como nos velhos tempos, ia ser a primeira vez.

E eu estava empolgada de verdade para saber o que cada um andava aprontando. Claro, sabia bastante por causa das redes sociais, mas não tinha tido a chance de realmente conversar com os colegas para saber – como andam os preparativos para o casamento, como está sendo o emprego dos sonhos, e aquela viagem pro Marrocos em 2014, conta dos detalhes.

Foi depois de muita polêmica no tal grupo de WhatsApp que decidimos pelo “banimento” dos respectivos de todos. O argumento era simples; primeiro que ia ser muito mais difícil encontrar um lugar grande o suficiente para praticamente o dobro de gente. Além disso, os @ todo mundo já via sempre, a ideia era passar um tempo com o pessoal da faculdade, como antes. Houve protestos. Muita gente queria que sua metade da laranja conhecesse o povo todo, o que resolvemos jurando que íamos marcar um bar na semana seguinte.

Depois de ter visto o fim de semana no sítio se concretizar, não me surpreenderia se realmente rolasse.

Mas enfim, que enorme digressão. O ponto é que eu estava feliz de passar três dias na companhia dos meus colegas de classe. E também estava solteríssima há anos, e não me importaria de fazer um revival com qualquer um dos meus ex contatinhos.

***

A primeira noite foi tranquila. Organizamos uns petiscos (Ludmilla levou várias opções veganas – “Eu e Thalita estamos 100% vegans há dois anos”), botamos logo umas dez garrafas de vinho pra jogo e lá fomos nós, colocar o papo em dia. O João Paulo tinha se mudado pra Sérvia, era sorte ele estar no Brasil. Tinha ido ficar com a namorada gringa, e estava trabalhando com animação. Tirou um pacote e tabaco e bolou um cigarrinho chique. A Fê tinha virado atriz. Tava fazendo um papel menor numa série da Netflix, e contou de vários projetos engatados. A Laura tinha pintado o cabelo de azul, e estava chefiando um departamento de quarenta pessoas. A Carol estava rodando o país com o seu filme, e tinha montado um coletivo feminista. O Diego tinha acabado de alugar um apartamento no centro com o namorado. Fizemos FaceTime com a Raíssa, em Madrid, que mostrou a barriguinha de oito meses.

Eu, bom, eu estava bem, dividida entre o Brasil e a Alemanha, tentando ganhar dinheiro escrevendo, um pouco menos adulta do que era de se esperar, mas ainda assim, bem. Depois da quarta taça eu estalei os lábios, o álcool já tirando meu filtro, pronta pra deixar escapar a pergunta que ficou na minha cabeça a noite toda, mas fui salva pelo gongo.

– Ah! – A Leila levantou, sempre com aquele ar de quem gerencia as coisas. – Precisa abrir o portão, o Lucas e a Marie chegaram. – E saiu arrastando as havaianas.

Houve um murmúrio geral na mesa, comentando sobre aquele novo casal, lembrando que eles não ficavam na época da faculdade, alguém indagou como tinha começado. Eu sabia a história por cima, às vezes encontrava com gente muito próxima deles, os seguia no Instagram, a gente sempre curtia os posts uns dos outros, mas a verdade é que não tinha estado com eles desde que o namoro começou.

Não vou mentir que sentia uma pontadinha de inveja sempre que via as fotos dos dois. Lindíssimas, a Marie sempre foi uma puta fotógrafa. E de verdade, os dois pareciam muito felizes. Conhecendo-os tão bem como os conhecia, me surpreendia que não tivesse acontecido antes.

Meu coração deu um mini pulinho quando eles chegaram na varanda, as mãos cheias de sacolas. A Marie estava de shortinho jeans, uma camisetinha que deixava à mostra seu braço recentemente fechado de tatuagens e a marquinha de biquíni (os dois tinham ido pra praia no fim de semana anterior, o Instagram me contou). Ela estava muito diferente; na época da faculdade ela usava dreads coloridos, se vestia de um jeito meio clubber, sempre com vestidinhos Neon e Melissas nos pés. Agora, os cabelos crespos estavam naturais, as pontinhas queimadas de sol, e usava cores sóbrias, jeans larguinhos, os cropped da moda, sempre deixando à mostra seu corpo cada vez mais escultural, graças ao pilates.

O Lucas também estava diferente. Usava uma bermuda curtinha, tinha os braços e pernas tatuados. Os cabelos muito lisos e pretos estavam num corte repicado e bagunçado, misturando à armação grossa dos seus óculos, as sardas se destacando na pele queimada de sol. Magrinho ele sempre foi, mas o tempo o fez encorpar, os ombros e braços mais musculosos do que eu lembrava.

– Gente, que calvário chegar aqui, socorro! – A Marie foi falando, sacudindo sua juba de cabelos bem cuidados. – Preciso de uma cerveja.

– Tamo no vinho, baby. –  O Diego logo se adiantou, alisando o bigodinho. – A Fernanda ensinou a gente a fazer sangria. Agora a gente é chique.

– Hmmm, muito bem. – Ela aprovou, servindo-se de um copo e passando ao redor da mesa para abraçar todos os presentes, com o Lucas em seu encalço. Quando chegou a minha vez, a gente trocou um olhar cúmplice.  – E aí?

– Eu aí?? – Eu devolvi com um sorriso largo, e a gente se abraçou. Não nos víamos há uns dois anos. Ela continuava linda. Na verdade, estava muito mais linda do que antes. Os anos a fizeram muito bem. Quando nos largamos, olhei para o Lucas, que baixou o olhar, mordendo os lábios e deixando as covinhas aparecerem num sorriso tímido. Foi uma lembrança gostosa; eu tinha esquecido que ele sempre fazia aquilo.

– Como cê tá? – Ele perguntou, me abraçando. – Como tá a Europa?

– Tá lá, gelada. – Eu ri. Podia sentir a tensão da galera nos observando interagir. Tá, tá, gente, já temos todos quase trinta, podemos agir de acordo, por favor?

Mais tarde, quando eu e Diego nos preparávamos para ir dormir no quarto que iríamos dividir pelos próximos três dias, ele me perguntou a queima-roupa:

– Esse revival aí, hein? Tá todo mundo de olho nesse triângulo.

– O quê? Imagina, eu não vejo nenhum dos dois há anos.

– Sei. Cê pensa que eu não vi o jeito que eles olharam pra você, né? Tá bom. – Ele disse em tom de quem encerra a conversa, afofando o travesseiro da sua cama de solteiro.

***

No dia seguinte, me diverti como não me divertia há anos. Passamos o dia na piscina, aplacando o solão de rachar. O Diego passou o tempo todo tirando fotos das pessoas e criando memes em cima, que iam ficando cada vez mais engraçados conforme a gente ia bebendo. Meu senso de humor tão estranho de repente estava em casa; era incrível sentir que embora cada um em um canto, muito das nossas personalidades tinha se formado em conjunto.

Tudo transcorreu sem maiores incidentes, a atmosfera amigável e tranquila. O Lucas e a Marie se comportaram muito bem, tirando algumas piadinhas aqui e ali, não pude notar nenhum flerte da parte deles. Parte de mim ficou decepcionada, não vou mentir, mas os dois estavam tão lindos juntos, tão em sintonia, que sei lá, dava até medo de estragar, então achei melhor assim.

Porém, no fim da noite, depois dos banhos revezados, do jantar e de muitos drinks, sobramos no sofá, eu e o Lucas. A Marie tinha ido sei lá onde; muita gente já tinha ido dormir, mas ainda sobrava uma rodinha de pessoas ouvindo música enquanto caía uma chuvinha fina. Eu tinha me concentrado num ponto entre as telhas há horas; viajando sobre como ia ser voltar para Berlim e lembrar daqueles momentos, essas coisas que eu acabo pensando sempre. Suspirei, o corpo todo molenga. Na outra ponta do sofá, o Lucas tirou os óculos e esfregou os olhos.

– Nossa, bateu. – Ele disse, rindo de lado.

– Né? Jesus.

Eu olhei bem pra ele, enquanto ele passava a mão pelos cabelos bagunçados, as covinhas das bochechas à mostra, e aquele tom de voz doce que sempre mexeu comigo. Naquela hora me perguntei por que raios eu tinha perdido tanto tempo com cafajestes, se é dos intelectuais tímidos charmosos sensíveis que eu gosto de verdade.

De repente a Marina voltou para a varanda, um copo de caipirinha na mão, um shortinho indecente de minúsculo. Ela fez menção de sentar no colo do Lucas, olhou pra mim, sorriu, e sentou no meu.

– Aaaai que saudade da minha ex! – O João Paulo gritou.

– Aí você tem que ver qual ex de quem né? – O Diego comentou, uma sobrancelha levantada. Eu passei uma das mãos pela cintura dela, a outra repousei na sua coxa. O cabelo dela estava com um cheirinho muito bom de shampoo (mas na verdade não devia ser, já que há anos ela era adepta do low poo).

O Lucas estava vermelho que nem pimentão, esse tonto. A Marie me deu um golinho do drink, só pra provocar mais.

– Vixe. – Eu disse, rindo. Sabia que ela adorava aquele tipo de joguinho, inclusive já tínhamos flertado muitas vezes depois de terminar e quase nunca o flerte terminava em algum lugar. A Marie era como eu; adorava a atenção.

O Lucas foi o primeiro casinho que eu tive na faculdade. Nos pegamos logo na primeira festa. Na época, ele tinha os braços despidos de tatuagens e os cabelos curtos. Daí sempre que tinha um rolê a gente acabava ficando. Por fim as coisas se tornaram menos esporádicas, e a gente começou a se pegar mais sério, nos beijar nos banquinhos da faculdade entre as aulas, passar os intervalos de almoço estirados nos gramados da praça do relógio, eu arrumando trouxinhas para ir dormir no apartamento dele em Pinheiros depois da aula.

Durou uns três, quatro meses, depois arrefeceu. Era o começo da universidade, muita novidade, muita coisa pra fazer, nós dois tínhamos que nos descobrir, não deu. Continuamos amigos, sempre nos demos bem e seguimos a vida.

Com a Marie, foi mais sério.

Nos aproximamos no início do segundo ano. Começamos a fazer muitos rolês juntas; em toda festa a gente estava. A gente se dava muito bem; era tudo natural entre a gente. De amigas de copo, passamos para amigas da vida. Os domingos largadas nos sofás uma da outra, virando madrugadas juntas editando aquele trabalho. Um dia bebemos demais num happy hour. Fomos para minha casa. Uma coisa levou à outra e não paramos mais.

Ficamos por quase um ano; nunca oficializamos nada. Eu me apaixonei por ela. A falta de um título de namorada significava muito pouco. Estávamos sempre juntas, compartilhávamos tudo. Mas não foi muito fácil. Às vezes eu queria mais; e ela não queria. Às vezes era o contrário. Tinha muita coisa acontecendo. Ela foi fazer um intercâmbio de um mês. Quando voltou, num acordo silencioso, tínhamos terminado.

Foi estranho por um tempo, depois voltamos a conversar. Mas a amizade de antes, não conseguimos retomar mais. Eu sempre pensava nela com carinho, me perguntava se um dia íamos conseguir ser tão íntimas quanto antes. O engraçado é que, pra quem via de fora, não dava pra imaginar ela e o Lucas juntos no primeiro ano. Eles sempre se deram bem, faziam parte da mesma turma, até já tinham se dado uns pegas aleatórios numas festas, mas nada além disso.

Foi só depois da faculdade, que eles se reencontraram, se reapresentaram, se apaixonaram. E era louco ver como os dois evoluíram para se encaixarem direitinho um no outro; ele estava mais confiante, mais seguro, sem nunca perder aquele jeitinho manso. Ela estava mais madura, mais focada, mas continuava com a presença exuberante de sempre.

A tensão era palpável. Eu podia sentir que estava todo mundo olhando para nós duas; o Lucas, nossos amigos. Muita pressão pra mim, não tem manual pra saber como agir quando você tem que lidar não só com um, mas com dois ex no mesmo lugar.  Ainda mais quando eles estão juntos.

Nessa hora, por milagre, começou a tocar o funk hit do momento. Eu levantei correndo e a tensão se dissipou. Logo eu e a Marie começamos a ir até o chão, e a Laura se juntou a nós duas. Tudo muito divertido e inofensivo, mas eu podia sentir o olhar do Lucas queimando na minha pele enquanto eu dançava, podia sentir a Marie colocar as mãos na minha cintura por um pouquinho mais do que a coreografia pedia.

Eu decidi que ia precisar me entorpecer mais se queria passar por aquela situação e me manter sã. Gritei que era hora dos shots, virei duas tampinhas de vodka de uma vez. Depois, fui pro banheiro, checar a minha cara, tomar um ar, lavar o rosto, sei lá. Quando eu voltei, Marie, Laura e Diego estavam se acabando na Paradinha. Eu sacudi os cabelos, respirei fundo e me juntei a eles.

Quando a música acabou,começou uma mais lenta, de sarração, que eu não conhecia. A Marie se virou para mim, colocou as mãos na minha cintura e a gente começou a rebolar. Eu estava tentando rir como se nada estivesse acontecendo, mas aquilo era covardia, sinceramente. Ela estava muito próxima de mim, aqueles olhões cor de mel penetrando a minha alma. Eu virei para o Lucas, meio desesperada.

– Cê tá vendo isso, né?

– Tô, sim. – Ele disse com um sorriso de lado filho da puta, como quem diz, não só tô vendo como to gostando. Ai, meu deus. Eu fechei os olhos, só rezando para os dois não estarem brincando comigo, porque aquela ideia já tinha cruzado a minha mente antes, e não tinha como negar que eu estava ficando cada vez com mais vontade.

A Marie me virou de costas pra ela, agarrou minha cintura e a gente foi dançando devagar. Daí ela afastou as mechas do meu cabelo e deu um beijo na minha nuca. Ok, isso aí já é falta. Não dá pra brincar desse jeito e ela sabe. Deixei o arrepio percorrer o meu corpo e voltar, e me virei, disposta a tomar as rédeas da situação de volta pra mim. Ou eles iam até o final ou o chove-não-molha ia parar por ali.

Ela passou a língua pelos lábios em forma de coração, arqueando as sobrancelhas perfeitas, nossas testas coladas. Não tirava os olhos de mim e naquele olhar a gente trocou mil confidências, lembramos dos velhos tempos, contamos muita coisa. Eu estava há tanto tempo tão sozinha, tão acostumada à minha independência e solidão, e de repente me vi de novo naquele olhar, toda aquela cumplicidade que a gente teve um dia, como se a gente tivesse terminado ontem.

Quando ela me beijou, segurou as laterais do meu rosto com as mãos. Meu coração estava acelerado, minhas mãos dormentes, como há muito tempo eu não sentia. Podia ouvir as exclamações dos amigos enquanto ela me empurrava para a parede mais próxima, mas a minha mente se desligou do resto do mundo. Nos enfiamos numa bolha à medida que o amasso se intensificava, minhas mãos seguindo da nuca dela para sua cintura, num daqueles beijos que é bom de primeira, que não dá vontade de parar.

Mas paramos. Quando eu abri os olhos, fazendo força para voltar do abismo de sensações no qual eu estava totalmente absorta, o Lucas estava atrás da Marie, olhando diretamente pra mim.

CONTINUA

 

O conto da mocinha solteira

bli
Fonte

Entrei em casa derrubando tudo. Cacete, cacete, cacete, era pra eu estar fazendo silêncio! Consegui entrar no quarto sem maiores estragos, tirando a roupa toda na maior aflição, essa blusa pinica, essa calça aperta, e foda-se, não vou tirar a maquiagem porque não é todo dia que dá pra gente ser um bom adulto.

Quando eu deito na cama, o mundo inteiro gira. Ok, ok, tudo bem, eu só preciso respirar devagarzinho. Meus ouvidos ainda estão zumbindo, reverberando o techno que eu ouvi a noite inteira, lá fora a luz do dia chegando preguiçosa e tímida. Luxo é saber que posso dormir até tarde amanhã. Não era exatamente a vida que eu imaginei que teria a essa altura, mas também não está ruim, aceito o que vier, tá de bom tamanho.

Reviro na cama, o álcool deixando minha pele febril. Estou cheia de energia demais para conseguir apagar, o corpo pulsando ainda, todo elétrico. Bom seria se eu tivesse trazido alguém pra casa, mas eu ando 100% sem saco pra essas conversas idiotas, todas as últimas vezes terminei querendo expulsar o fulano da cama, e além disso é sempre uma decepção mesmo, melhor ficar com a minha mão, que não tem contraindicações nem torra minha paciência.

Falando nisso.

Um suspiro sai trêmulo, um dedo alcançando a barra da minha calcinha fio dental. Caralho, esse cheiro de cigarro só sai do meu cabelo ano que vem. Tá, concentra. Separo bem as pernas, deixando o indicador passear por cima da renda, o toque suficiente para me fazer contrair de levinho – devo estar perto de ovular ou coisa assim, porque esses dias até se o pano da calça roça de um jeito mais tchan na minha perna eu já fico morrendo de tesão.

Em um minuto enfio a mão por dentro da calcinha. Já estou um pouquinho molhada, e dá um choque quando toco o meu clitóris bem de leve. Passo os dedos da minha entrada para o restante da vulva, lambuzando tudo, antes de achar o ponto certinho com o dedo médio.

Coordeno os movimentos circulares com as voltas que a minha cabeça alcoolizada dá, devagar, fechando os olhos sentindo o mundo girar novamente. A zonzeira dessa vez não me causa enjoo, só deixa mais fácil de desconectar da realidade, e minha mente começa uma peregrinação pelos arquivos guardados nas gavetas de “fantasias”.

Aquela vez que um cara meteu a mão dentro da minha saia enquanto a gente se pegava contra a parede da boate, aquele gif de squirting que eu vi outro dia no Tumblr, aquela menina que eu vi outro dia no metrô,  quando eu gozei me esfregando na minha ex-namorada, quando o ex-crush disse que queria me ouvir gemendo pra ele, quando eu fiquei sarrando no colo do meu ex ex dentro da piscina na frente de todo mundo…

Opa, opa. Não, espera. Ex errado. Até abro os olhos, chacoalhando a cabeça; sai demônio.

Tá, vamos retomar o raciocínio. Fecho os olhos, lembrando da sensação exata da língua de um peguete que por milagre era bom de oral. De-lí-cia quando ela deslizava devagarzinho dentre os meus lábios, quando ele fazia um biquinho e começava a sugar o meu clitóris sem pressa, separando os dedos dentro de mim, pressionando bem nos lugares certos, ele nunca parava, até eu gozar. Daí geralmente me virava de quatro, me fazia arrebitar bem a bunda, e antes de começar a me comer, me acertava um tapa que quase sempre me deixava marca. Nossa, deu até vontade mandar um “oi sumido” agora.

Tinha também aquela menina com quem eu nunca transei, e como me arrependo. A gente ficava se beijando por horas, ela tinha boca em formato de coração, usava sutiãs com bojo daqueles que desabotoam na frente, e eu adorava colocar as duas mãos por dentro da blusa dela, desfazer o fecho, porque ela sempre gemia muito gostoso quando eu beliscava os mamilos dela, sempre ficava muito molhada quando eu a tocava, abrindo as pernas e deslizando na parede, puxando meus cabelos. Que frustração nunca ter sentido o gosto da boceta dela, nem ter colado ela na minha, aposto que devia ser macia que nem o resto do corpo inteiro…

Eu paro um pouquinho, fico de bruços na cama, levanto os quadris. Agora eu tô muito molhada de verdade, meus músculos pulsando em pequenos espasmos. Geralmente eu tento evitar, mas com a percepção melada de álcool e tesão desse jeito, fica difícil. Como um ímã, meus pensamentos são atraídos para você, aquela vez que você estava me comendo de quatro no chão do seu quarto no meio de um ménage e eu secretamente só conseguia pensar “caralho eu amo dar pra você, podemos fazer isso de novo, podemos fazer isso pra sempre“, ou na primeira vez que você gozou na minha boca, seus gemidos estrangulados e fora de controle, ou você algemado na minha cama, teimando em se mexer, choramingando baixinho depois de eu ter te acertado um tapa e mandado ficar quieto;

– Mas eu não consigo ficar quieto!

Minha mão esquerda chega para o reforço, brincando ali de levinho na minha entrada, as pontas dos dedos penetrando só um pouquinho. Uma onda de adrenalina parte do meu ventre e desce pelas minhas pernas. Eu tô perto. O suor pingando das suas costas quando você se enterrava tão fundo dentro de mim que parecia que ia se perder lá, todas as vezes que você me comeu exatamente assim, segurando meus quadris enquanto eu me debatia de bruços na cama, sentindo cada centímetro do seu pau entrando e saindo, me contraindo ao seu redor e perguntando sem coordenação se você estava sentindo, se conseguia sentir, que eu estava gozando pra você, estava gozando no seu pau…

Não deu pra segurar. O orgasmo me atravessou de cima a baixo como um raio, eu me esfreguei na cama e deixei escapar uma torrente de obscenidades chamando o seu nome, meu cérebro completamente dominado.

Trêmula, abri os olhos, e rompeu-se a bolha erótica. Minha boca estava realmente seca, eu tremi só de pensar na ressaca do dia seguinte. Com os músculos relaxados, deitei na cama, esperando que dessa vez eu conseguisse dormir a noite inteira. Antes de apagar só pensava que bom, ainda bem que pelo menos na fantasia a gente pode fazer tudo que quiser.