Eu odeio ser mulher

ValentinChenaille_08.7_130.jpg
Fonte: VALENTIN CHENAILLE

 

Você me olha com essa cara de desdém.

Essa cara de quem nunca soube se colocar no lugar do outro, e me diz; “Você odeia tanto os homens, porque na verdade odeia ser mulher”.

Pois bem, então vou ser muito sincera. Você está certo. Eu odeio ser mulher.

Eu odeio ser mulher porque desde que nasci soube que minha aparência é muito mais valorizada do que minha capacidade.

Empatia.

Dedicação.

Eu odeio ser mulher porque eu choro sozinha à noite pensando em tudo que está imperfeito no meu corpo. Que não deveria ser assim. Que eu deveria me cuidar.

Mas eu também odeio ser mulher porque se eu te contar isso, você vai dizer que é frescura minha.

Eu odeio ser mulher porque envelhecer dói. Ninguém quer saber da sua sabedoria,da maturidade que os anos trazem.

Só das rugas. Da flacidez. Das manchas.

Eu odeio ser mulher porque eu fui diminuída e silenciada todas as vezes que eu tentei me fazer ouvir. Colocar pra fora minha opinião, meu riso, meu choro, minha criatividade.

Eu odeio ser mulher porque eu sei que pra tantas outras basta isso para se perder o direito à vida.

Eu odeio ser mulher porque só vão me respeitar se eu for mãe ou esposa de alguém.

Eu odeio ser mulher porque não me deixam decidir se eu quero ser mãe ou esposa de alguém.

Mas, principalmente, eu odeio ser mulher porque ser mulher é viver com medo.

É saber que a cada passo, o perigo anda à espreita.

É saber que nenhum lugar é seguro.

Eu odeio muito ser mulher quando eu lembro que todo o meu prazer em estar viva é acompanhado de uma ameaça.

Uma caminhada, um drink gelado numa noite morna, uma paixão, uma viagem, uma risada, um sorriso, um aceno.

Tudo pode ser uma sentença.

Eu odeio ser mulher porque estou sufocada entre agir com cortesia e saber que isso pode ser encarado como convite à violência, ao assédio, à coerção.

Eu odeio ser mulher porque todo o conhecimento do mundo não me protege. Eu ainda sou frágil e vulnerável, e posso morrer como todas as que morrem, todos os dias, por ser mulher.

Então, você tem toda razão. Eu odeio ser mulher.

Num mundo que odeia mulheres.

 

Vlog: Insegurança feminina e indústria da beleza

A gente se endivida, adoece, sofre pra perseguir um ideal de beleza inalcançável. E enquanto o produto de tanta pressão é apreciado por todos,quando a gente demonstra insegurança, somos chamadas de fúteis e fracas. O vlog de hoje é justamente sobre como lidar com a pressão pra ser bonita e a pressão para não sentir essa pressão.

Vulgar sem ser sexy

d104258a3400c9ffc90be8779ffcd475.jpg
Fonte: Pinterest

Acho que esse clichê sempre caiu muito bem para me definir. Minha relação com minha sexualidade sempre foi conflituosa e difícil – ao mesmo tempo que sempre foi parte importantíssima da minha identidade, lidar com isso nunca foi algo natural pra mim.

Fui criada num ambiente bem repressor sexualmente falando – uma família dominada por homens, extremamente machista. Uma escola dominada por preconceitos, extremamente religiosa. Durante toda a minha adolescência, eu fui uma menina magrela, desengonçada, esquisita. Sempre era a última a fazer tudo – a última a beijar, a última a transar – e ainda assim sempre tive de reputação de fácil ou de piranha, apesar de ter uma vida social inexistente – e de ter certeza de que ninguém nem ao menos se interessava por mim para ter a fama de fácil em primeiro lugar. Lembro de ouvir amigas ficando com carinhas cafajestes, que as enrolavam, as usavam, e enquanto elas choravam as pitangas, sentia uma pontada muito clara de inveja – eu não parecia ser boa o suficiente nem para ser usada.

Apesar de tudo, sentia que meu exterior de extrema timidez e introversão eram completamente incompatíveis com a pessoa que eu era por dentro. Eu sempre fui alguém com a libido extremamente alta – desde que descobri o que era sexo gasto a maior parte do meu tempo pensando a respeito. Minha imaginação fértil sempre compensou minha pouco vivência criando fantasias vívidas e sórdidas. Eu desejava ardementemente poder ser a pessoa que eu era – poder externalizar toda essa minha natureza sexual, conseguir colocar pra fora o que estava por dentro.

Como todas essas questões complicadas de personalidade que a gente tem, foi um processo. Foi no início da vida adulta, aos poucos, que fui começando a me sentir à vontade na minha própria pele para dar vazão à minha personalidade. As roupas, o comportamento, tudo que eu tinha para dizer. Fui tirando os meus filtros, um a um, e revelando toda essa vulgaridade que eu tinha por dentro.

Vejam bem,eu advogo vulgaridade. Talvez porque eu não tenho escolha, e acaba sendo uma autodefesa. Talvez porque  eu ache mesmo que as coisas que a gente faz sem refinamento, sem pensar demais, sem editar demais, são as mais sinceras. Sempre fui alguém de natureza muito intuitiva e é libertador para mim finalmente dar ouvidos aos desejos que urravam por dentro. Tenho bem claro na minha cabeça que não tem nada de errado em ser assim, porque eu simplesmente sou, é algo que vem tão naturalmente de dentro, que não tem razão de não ser.

Porém, nem sempre é fácil. Para ter coragem de ser que eu sou, pago o preço nas minhas interações sociais. Eu consigo sentir as pessoas ficando desconfortáveis ao meu redor – quando eu falo palavrão demais, quando eu sou muito gráfica em descrever minhas putarias, quando eu me abro demais rápido demais. Nessas horas, eu fico pensando que eu queria muito mesmo conseguir ser uma pessoa reservada e discreta. Que tudo na minha vida seria mais fácil se eu não tivesse essa personalidade hiperbólica e dionisíaca.

Na minha vida amorosa, isso se multiplica. Para começar com o óbvio, digamos que #piranhastambémamam. O fato de eu ser uma pessoa sexualmente libertina, ficar com muita gente, ser aberta à experimentar, não significa que eu não me envolva, ou queira apenas sexo. Enfim, é óbvio, mas parece que não pra todo mundo. Me frustrei muitas vezes sentindo o julgamento de pessoas por quem estava apaixonada. Por muitas vezes fui trocada por um tipo tão específico de mulher que isso me criou um complexo.

Sabe aquelas meninas, discretas, dignas, reservadas, com um comportamento quase blasé, que sempre parecem estar acima de tudo isso? Elas se divertem, bebem, mas sem dar PT. Elas sabem rir de uma piada, mas não alto demais. E principalmente, elas são capazes de amar, mas sem exageros. Elas estão sempre nos cantos, cercadas por uma aura de ~mistério. Logo eu, que sempre me faltou indiferença ao que quer que seja, fui me interessar por gente que gosta deste tipo. Nem preciso falar que não tenho chances.

Nessas horas fica difícil continuar no meu propósito de seguir firme sendo a pessoa que eu sou, apesar dos pesares. Lembro de uma briga horrível que tive com um carinha por quem estava apaixonada. Ele me olhou bem no olho e disse:

– Você é uma ridícula, fica falando um monte de putaria e todo mundo está rindo da sua cara e você nem percebe.

Ele basicamente enfiou a botina em uma das minhas maiores inseguraças. Essas palavras me machuram muito, porque tocaram num dos meus maiores medos: De ser ridícula, por ser como eu sou, assim, vulgar, exagerada, extratosfericamente libidinosa.

Estou apredendo a fazer as pazes com a minha natureza vulgar sem ser sexy, simplesmente porque fingir que eu sou outra pessoa é exaustivo. Aprendendo que eu não posso oferecer para as pessoas o que elas gostariam que eu fosse – essa versão mais light de mim. Apenas o que eu sou. E também que se tem gente que vai me reduzir a isso, paciência. Quem é importante para mim sabe que eu sou sim essa pilha de energia sexual – mas também muito mais do que isso.

Por fim, talvez eu seja sim ridícula, e seja incapaz de não continuar agindo de maneira ridícula. Vou continuar usando roupas estupidamente curtas para a minha idade, ficando com todo mundo que der vontade, falando – e escrevendo! – todas as barbaridades que passam pela minha cabeça. Pelo menos hoje em dia eu consigo dizer que sou muito mais quem eu sempre quis ser – e por enquanto está bom.

Neste 8 de Março de tempos sombrios, de onde tirar esperança para continuar lutando?

 

Este vídeo foi publicado em 2014 no vlog de um amigo muito, muito querido. De lá pra cá, bastante coisa mudou. Então vim aqui fazer justamente o que propus no vídeo: Refletir sobre o movimento de igualdade de gêneros nos últimos anos.

Sinceramente, está difícil falar com otimismo e esperança. Só nesta semana, muitas notícias mostram que a vida das mulheres continua sempre sob ameaça, continua sempre valendo muito pouco. Bruno Fernandes de Souza, ex-goleiro do Flamengo, julgado e condenado pelo assassinato da mãe de seu filho num crime que chocou o país, conseguiu Habeas Corpus e já recebeu propostas de nove clubes brasileiros. O ator Casey Affleck, acusado de assédio, foi premiado com o Oscar, a maior honra que se pode receber em sua profissão, provando que reputação não conta quando se é homem. E duas crianças, de seis e dez anos, foram assassinadas pelo próprio pai a facadas, que queria se vingar da mãe pelo término do relacionamento.

Não está fácil.

No últimos anos, o feminismo alcançou uma projeção midiática sem precedentes. Artistas de grande renome e projeção começaram a falar sobre o assunto. Vimos Beyoncé no palco do VMA na frente de um grande leitreiro onde se lia “feminista”. Vimos Katy Perry se juntando à marcha das mulheres. Vimos muitas atrizes, cantoras, pessoas de destaque se assumindo como feministas. E por mais catártico que seja ver a nossa causa ganhando reconhecimento (e acreditem, eu sei que é), isso não nos protegeu. O Brasil é  o quinto país que mais mata mulheres no mundo, e vimos um aumento de 54% no assassinato de mulheres negras em 2015. Num ranking de 144 países, somos o 79 em igualdade salarial. As mulheres negras chegam a ganhar inacreditáveis 40% que os homens brancos na mesma função. As jornadas duplas e triplas continuam sendo realidades. A luta pela discriminalização do aborto avançou muito pouco. Pela primeira vez desde a ditadura, não temos nenhuma mulher no quadro de ministros.

Acho que tudo isso mostra que o feminismo precisa se alinhar com uma mobilização mais ampla. Em vez de nos unirmos pelo que nos diferencia, precisamos nos unir pelo que nos aproxima. Precisamos nos unir em torno de um ideal comum, reconhecer as opressões que nós todas sofremos, darmos plataformas às mulheres que têm ainda mais direitos extirpados. Dar voz às mulheres trans, negras, periféricas, lésbicas, bissexuais. Dar voz às mães solteiras, às portadoras de deficiência, às marginalizadas. Ficou claro que adianta muito pouco colocar um rosto no feminismo. Ele precisa ser a luta de todas nós.

Neste dia oito de março, infelizmente, precisamos chorar. Precisamos sentir a dor das 530.000 mulheres estupradas por ano no Brasil. Precisamos chorar a perda das mulheres assassinadas em 2016. Precisamos estar de luto, mas precisamos seguir lutando. O machismo continua matando. Nós continuamos morrendo. Por isso, mais do que nunca, o ativismo precisa ser real, precisa ser mais do que só virtual, precisa se estender para fora de nossas bolhas. Neste oito de março, em vez de perguntar o que o feminismo pode fazer por você, pergunte o que você pode fazer pelo feminismo.

Infelizmente, estamos engatinhando. Não conseguimos nem garantir uma vida sem violência para as mulheres. Não conseguimos nem garantir igualdade salarial para nossas filhas. Mas amanhã é um novo dia. E vamos precisar lutar de novo, e de novo, e de novo. Não só por mim, não só por você. Mas por todas nós.