Comprando a pílula do dia seguinte na Alemanha

Para comprar a pílula do dia seguinte na Alemanha, é preciso passar por uma entrevista. Conto a minha experiência com tudo que você precisa saber.

morning-after-pill.jpg
Fonte desconhecida

Moro em Berlim há três anos, e a experiência de comprar a pílula do dia seguinte por aqui foi um tanto surpreendente e estressante, por isso resolvi compartilhar com vocês.

Como contei em alguns vlogs, tomei anticoncepcional por quase dez anos, e decidi parar logo que me mudei para a Alemanha. Estava sentindo que a pílula me fazia mal, e parei de tomá-la por uma decisão consciente. Foi uma das melhores decisões que eu já tomei, mas isso é assunto para outro post. Fato é, que por conta disso, nunca havia precisado tomar a pílula do dia seguinte enquanto morava no Brasil.

Mesmo assim, conhecia bem o procedimento, porque acompanhei amigas que precisaram do tal “plano B”. Então eu sempre tive na cabeça que era uma coisa muito simples; só chegar na farmácia, pedir, e comprar. A pílula do dia seguinte também é bem barata no Brasil. Morando aqui na Alemanha, eu tinha na minha cabeça que o processo seria igualmente – ou até mais simples. Mas tive uma grande surpresa quando precisei deste recurso de emergência.

Foi numa tarde de domingo, em silencioso desespero, que eu fui fazer a pesquisa. A camisinha tinha estourado na noite anterior e para piorar, eu estava justamente no meu dia fértil. Decidi que ia tomar a pílula do dia seguinte pela primeira vez, abri o Google para descobrir onde poderia comprar. E foi aí que eu vi que a coisa não é tão simples assim.

Na Alemanha, é preciso passar por uma entrevista para comprar a pílula do dia seguinte

Quer dizer, já melhorou muito. Até 2015, a pílula não era vendida sem receita. Hoje em dia é possível comprar diretamente nas farmácias. Porém, pra isso, é preciso passar por uma entrevista com o farmacêutico, que tem o direito legal de negar a venda caso julgue conveniente.

A entrevista é uma coisa automática. Claro que é um pouco constrangedor, mas no meu caso, como já tinha lido a respeito, estava preparada. O farmacêutico me perguntou o motivo da necessidade da pílula do dia seguinte, se eu estava ciente de como funcionava, se eu já tinha tomado alguma vez antes e quando, meus hábitos em geral e meus hábitos sexuais, além de algumas perguntas sobre o histórico de saúde da minha família.

Depois de responder tudo, ele me explicou o funcionamento da pílula, me perguntou se eu entendia que era um procedimento emergencial e não podia ser usado como anticoncepcional regularmente, orientou que eu poderia ter efeitos colaterais, e me alertou que caso eu vomitasse nas próximas três horas iria precisar tomar outra vez.

Na hora de pagar, mais uma surpresa: O preço. Um pouco mais de 30 euros, o que é bastante. Para se ter uma ideia, eu gasto em média 20 numa compra de supermercado semanal. No Brasil, a pílula do dia seguinte é subsidiada – e também deve ser oferecida gratuitamente pelo SUS. Por aqui, até absorventes são taxados como itens de luxo, então não é de se surpreender que o preço seja alto.

Apotheke-mall890.jpg
Na Alemanha, existem as Drugstores e Farmácias (Apotheke), e a pílula só pode ser encontrada em farmácias! Foto: © Hyde Flippo

Tomar a pílula foi uma experiência bem ruim, para ser sincera. Primeiro que eu não menstruei de cara como geralmente acontece – na verdade minha menstruação atrasou por dois meses, e eu fiquei totalmente paranoica que tinha engravidado mesmo as chances sendo pequenas. Depois que eu senti que ela deixou meu corpo super desregulado, e eu fiquei bem esquisita e indisposta por um tempão. É óbvio que a pílula do dia seguinte é um recurso que deve ser usado apenas em casos de emergência.

A pílula do dia seguinte é um recurso importante – mas como lidar com ele?

Essa história toda me deixou pensando muito. Afinal, o aborto é legalizado aqui na Alemanha, e na minha experiência pessoal, eu sinto muito mais igualdade de gênero no meu dia-a-dia do que no Brasil. Ainda assim, sinto que estamos mais avançados com a pílula do dia seguinte, mesmo a saúde reprodutiva da mulher sendo o maior tabu do mundo!

Dificultar o acesso é uma coisa boa? No fim das contas, a entrevista foi constrangedora porém indolor, e o farmacêutico me deu informações preciosas para eu poder administrar a pílula de maneira responsável e eficaz. MAS não podemos esquecer que eu estou em Berlim. A cidade mais liberal da Alemanha, de longe. O poder de negar a compra pode não significar muito aqui, uma das capitais do hedonismo do mundo, mas em cidades menores e redutos católicos, pode sim ser um problema.

Enfim, eu não tenho nenhuma conclusão sobre o assunto. Queria dividir minha experiência, para brasileirxs que precisem comprar a pílula do dia seguinte em terras germânicas saberem o que esperar. A melhor prevenção continua sendo sempre o uso do preservativo, mas que eu estou aliviada que a pílula do dia seguinte existe, ah, pode ter certeza que estou.

E no Brasil, com a criminalização do aborto, ela se torna mais importante ainda.

Vlog: Histórias de horror no ginecologista

Recebo quase todos os dias mensagens de mulheres por causa do vlog que eu fiz esclarecendo dúvidas sobre o HPV. Geralmente, elas acabaram de receber o diagnóstico, estão confusas, desesperadas e com vergonha.
O vídeo que eu fiz tem informações muito básicas – que deveriam ser passadas pelos ginecologistas na hora do diagnóstico. Porém não é isso que acontece.
Isso é só um sintoma de um problema generalizado. Toda mulher tem uma história de horror de um ginecologista pra contar. Descaso, falta de informação, grosserias, abusos, slut-shaming… A lista é longa.
Numa sociedade em que a sexualidade feminina ainda é tabu, o consultório ginecológico deveria ser um oásis para mulheres discutirem sua saúde com informações precisas e longe de julgamentos. Mas não é o que a gente vê por aí.

No vlog dessa semana eu conto minhas histórias macabras de gineco pra levantar uma discussão sobre porque este atendimento fica cada vez mais precário.

 

Vlog – Afinal, o que é a candidíase?

Nessa época de calor, carnaval, ficar o dia inteiro fora de casa, com roupinhas apertadas… As chances de ter candidíase aumentam! Mas afinal, o que é candidíase? Pega no sexo? Como trata? E se temos com frequência, dá pra fazer alguma coisa? Tudo isso e mais no vlog de hoje!

Vlog – Dúvidas e mitos sobre HPV

Você já ouviu falar bastante sobre o assunto, talvez você já tenha sido diagnosticada com ela, mas ninguém senta para mandar a real sobre HPV. Como se transmite, como se previne, como se transmite a vacina? Bom, eu vim aqui responder.

Precisamos falar sobre camisinha

tumblr_static_tumblr_static_8dnpezqj6p8o0kgos8sgw80wo_640.jpg
Fonte: Getty Images

Pois é, gente. No encalço do dia internacional de luta contra a AIDS, primeiro de dezembro, vamos falar sobre essa coisinha de plástico que foi criada pra que a gente pudesse transar por aí sem ter que lidar com gravidez indesejada nem doenças sexualmente transmissíveis.

Primeiro, alguns dados que por mais que sejam repetidos vezes e vezes, parecem que não entram na cabeça da galera: Em 2014 um estudo revelou que os casos de infecção por HIV no Brasil aumentou 50% em seis anos. Sim, você leu direito. CINQUENTA POR CENTO.  

Isso sem contar outras doenças sexualmente transmissíveis. A cada ano, mais de um milhão de pessoas contraem gonorreia. Os casos de herpes genital ultrapassam 600.000. Sem falar na atual epidemia de sífilis que está acontecendo no país, cuja principal causa é justamente a falta de uso do preservativo.

Cruzo esses dados estatísticos com a minha vivência pessoal e a de muitas amigas e eu começo a ver um padrão muito preocupante. Muitos homens não fazem questão ou mesmo se recusam a usar camisinha na hora do sexo.

As desculpas são muitas. Já ouvi muitos relatos de homens que não conseguem manter uma ereção com camisinha, ou que pedem pra começar sem, ou a clássica, “não dá pra sentir nada, é como chupar bala com papel”. Inúmeras vezes aconteceu comigo de eu pegar a camisinha e o sujeito me perguntar, “ué, mas você não toma pílula?”

Eu me pergunto, será que os homens acham que são imunes aos riscos do sexo inseguro?

Sinceramente, está difícil de entender vocês, rapazes. Primeiro e óbvio que você não me conhece direito, nem sabe sobre a minha saúde. Então pra que se colocar em risco desse jeito? Outra que, em uma one night stand, como é que você vai saber se eu tomo a pílula regularmente? Você confia cegamente nisso o suficiente para não se preocupar nem um pouco com uma gravidez indesejada?

É fato estatístico que os homens morrem mais cedo e vão menos ao médico. E quando eu ouço e vivo este tipo de coisa, ainda fico abismada com a displicência com a qual muitos homens tratam a saúde e o bem-estar. Próprio e dos outros ao seu redor. É fato que muitas mulher também não gostam e se recusam a usar camisinha. É fato também que ser soropositivo não é sentença, e os tratamentos de hoje garantem qualidade de vida para os portadores de HIV. Mas o tratamento é para a vida inteira, e uma coisa tão simples quanto camisinha pode prevenir. De novo, pra que arriscar?

Não quero mentir e ser moralista, e dizer que nunca escapei e transei sem camisinha, porque não é verdade. Já dei minhas escorregadas sim, mas acho que isso não é exemplo pra ninguém. Principalmente nos momentos em que não tenho parceiro fixo, sempre levo a camisinha na bolsa. Agora, o que é impressionante é em 90% dos casos, sou eu quem toca no assunto, ou pega a camisinha.

A impressão que dá é que se eu não falasse nada, rolaria sem. A minoria dos caras com quem eu transei tomou a iniciativa de colocar a camisinha. Quando converso com as minhas amigas sobre o assunto, escuto a mesma coisa. Sem contar as vezes que eu fui pressionada a não usar, culminando numa vez que eu me recusei incisivamente a transar sem camisinha com um cara que estava insistindo muito que “não tinha nada”, e tive que escutar um “ah, então você é uma dessas mulheres egoístas?”.  Respondi que era sim, peguei minhas coisas e fui embora.

Claro que este sujeito foi o ápice, mas essa sensação de que você está sendo “chata” quando pede para o cara encapar o menino é frequente. Eu só queria entender, porque na minha cabeça, é uma coisa mútua. Eu estou me protegendo e te protegendo. Deveria ser natural para os homens também quererem se preservar, mas parece que não é com eles.

Uma vez tive uma conversa séria com um peguete sobre isso, e ele me disse que tinha dificuldade que manter a ereção com a camisinha, e que ele achava que isso prejudicava muito a performance. Ele até me mostrou pesquisas que estão sendo feitas para criar preservativos mais ergonômicos e modernos, para substituir os que temos agora.

Eu acho que é muito bom que a gente possa ter em breve camisinhas mais confortáveis, mas não dá pra esperar esse dia e ter sexo desprotegido até lá. Ah, e mais uma coisa. Não existe isso de “camisinha pequena demais para o meu pau”, tá? Aqui está uma foto de uma cantora que colocou uma camisinha até o joelho para provar que não existe. Se o seu pinto é maior do que isso, você precisa ser estudado pela ciência. Estamos combinados?

Um momento de prazer não vale o risco

Pessoalmente, eu também prefiro transar sem camisinha. Eu também acho mais gostoso. Mas eu acho que precisa entrar na cabeça dos caras que não dá pra fazer sem quando você acabou de conhecer a pessoa. Tem que ser automático na cabeça das pessoas, sexo = preservativo. Se quiser fazer sem, podemos fazer os exames e aí começamos.

O que nos leva a outro assunto. Uma em cada cinco pessoas contaminadas pelo vírus HIV não sabe. Lembrando que quando a AIDS não está sendo tratada é que o risco de transmissão é maior. Estou acostumada a fazer os exames de sangue para DSTs anualmente, junto com o papanicolau, o ultrassom, etc. Acho que como nós mulheres já estamos acostumadas a cuidar da nossa saúde sexual, fica mais natural incorporar na rotina.

Agora, para os homens, que já vão menos ao médico, parece que fazer este tipo de exame é raridade. O ex namorado de uma amiga recebeu a notícia que uma menina com quem saiu um tempo era soropositiva. Minha amiga insistiu para que ele fosse fazer o exame, já que eles estavam transando sem preservativo, e ele ia deixando sempre para amanhã, como se não fosse problema dele. No fim, ela foi se consultar primeiro, para saber o resultado.

No meu último relacionamento, eu tinha acabado de fazer todos os meus exames quando começamos a namorar. Usávamos camisinha, e pedi para que ele também fizesse os testes pra gente poder transar sem. Adivinha quem enrolou e adiou? Transamos sem camisinha, com a promessa de que ele faria os exames logo, mas no fim, eu que tive que refazer os exames.

Eu acho que eu nem deveria ter que pedir uma coisa dessas duas vezes, é o mínimo de consideração e respeito com alguém com quem você se importa. Mas eu ouço esse tipo de história o tempo todo. Os meninos não querem ir fazer o teste. Lembrando que o exame é feito gratuitamente pelo SUS e o resultado sai na hora. É fácil e rápido. Não tem desculpa, gente. Não tem.

Detesto ter que dar essa bronca sobre uma coisa que deveria ser óbvia, mas aparentemente é necessário. E de novo: Sei que muitas meninas também não gostam e se recusam a usar camisinha, mas o meu papo hoje é com os meninos. Sexo é uma delícia, e não deve ser motivo para transtorno e tristeza.

Se cuidar e se prevenir é algo que você deve fazer por você, pela sua saúde. E também pelas pessoas com quem você se relaciona. As que você vai namorar e as que você vai passar só uma noite. Sexo é troca, e requer cuidado mútuo.

Então vamos usar camisinha. De morango, de limão, de uva, que esquenta, que esfria, com ranhuras, extra grande, que brilha no escuro, que vibra. Mas vamos usar. Da próxima vez que você ver um comercial de camisinha na TV, saiba: É pra você. Eles estão falando com você.