Touro

sereno

 

O chiado da frigideira encheu a cozinha, enquanto ele ia organizando todos os ingredientes de maneira metódica.

– Se eu for arrumando enquanto cozinho, não fica bagunçado depois, entendeu?

Ele explicou, moendo pimenta rosa em cima do refogado. O solinho do violão saía da caixa de som, enquanto ele ia cozinhando sem pressa, servindo-se de mais um gole da cerveja chique.

– É belga. – Ele tinha me explicado assim que eu cheguei. Tinha feito muita propaganda das suas habilidades culinárias e eu estava com as expectativas muito altas. Entre um gole da cerveja escura e uma mordida do pratinho com queijos e castanhas, fomos papeando. A noite estava quente, a porta da varanda estava aberta. Eu adorava ouvir como ele falava sobre as coisas de maneira muito específica e entusiasmada. Estava me explicando há uns dez minutos todos os segredos do risoto perfeito, mas eu me sentia um pouco mal, porque só conseguia pensar que sempre adorei homem usando calça de moletom cinza, ainda mais quando tinha um corpo tão escultural quanto o dele. Era sempre tão bom passar o tempo na companhia dele, sempre tão doce e tranquila quanto o violão de sete cordas que sempre estava na sua playlist.

– O cheiro está muito bom. – Eu comentei, porque era verdade. Ele sorriu aquele sorriso charmoso, avisando que faltava só um pouco. Tampou a panela e veio me dar um beijo, segurando minha cintura de leve antes de escorregar as mãos para os meus ombros e fazer uma massagem de leve. – Meu Deus, o que eu fiz para merecer esse tratamento VIP?

– Ué, eu falei que ia cuidar de você hoje. – Eu suspirei, relaxando. Queria me contagiar com toda aquela serenidade. O alarme do telefone dele tocou, e ele voltou para o fogão. – Está pronto. Preparada para comer o melhor risoto de abóbora da sua vida?

Eu levantei um garfo.

– Nasci pronta.

***

Ele adorava dizer que orgasmos culinários podiam ser tão bons quanto os tradicionais. Eu passei a seriamente concordar depois do nosso jantar. A comida estava divina. Ele sempre me impressionava. A gente se dava também, mas a gente sabia que entre nós dois nunca seria mais do que sexo e amizade. E tudo bem. Às vezes é até melhor assim. Eu aproveitava aquele jeito brincalhão dele sem noias. Quando terminamos de comer, ele me levou para o sofá, e uma tigela de morangos com chantilly se materializou nas mãos dele.

Ele às vezes era tão clichê, mas por incrível que pareça, isso nunca me incomodou. Pelo contrário, aproveitamos cada um dos morangos. Ele tirou minha blusa, me lambuzou de chantilly e lambeu tudo para limpar.

Quando eu vi, já estava sem sutiã, com a barriga melada de doce, presa no colo dele enquanto a gente se beijava. Digo presa porque era exatamente essa a sensação que o beijo dele me dava. Parece que eu tinha entrado numa cela, e tinham jogado a chave fora. Era tão profundo e assertivo, que parecia que eu nunca mais ia conseguir sair. Estava acorrentada nos lábios dele.

Ele me segurava com força, me pressionava contra ele, meu shortinho minúsculo raspando naquela calça de moletom sem vergonha. Passei a mão pelo peito dele, bem devagar, antes de enfiá-la por dentro da calça logo de uma vez. Ele gemeu na minha boca, devolvendo o gesto e descendo a boca pelo meu peito, uma das mãos se embrenhando dentro por dentro dos meu shorts e da minha calcinha fio dental.

Ficamos assim por um bom tempo, brincando, provocando, para ver quem ia ceder primeiro. Mas desde o começo eu sabia que ia perder, e de bem com isso. De repente chutei meus shorts para longe, desci a calça dele até os tornozelos e me ajoelhei no chão, entre as pernas dele.

– Pena que não tem mais chantilly. – Eu disse com uma piscadinha, antes de colocar o pau dele inteiro na minha boca. Ele puxava o meu cabelo de levinho, na altura da nuca, enquanto eu ia provocando, torturando, até que ele me puxou de uma vez, me encaixou no seu colo, e começou a me comer devagarzinho, segurando meus quadris para me fazer rebolar.

Não demorou e ele gemeu alto no meu ouvido, me jogando de volta no sofá e enfiando o rosto entre as minhas pernas, me chupando lentamente até me fazer gozar. Depois, deitou a cabeça na minha barriga, resmungando que estava cansado. Eu ri. Respondi que podíamos dormir no sofá mesmo.

Assim fizemos.

 

Anúncios

Um comentário em “Touro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s